quarta-feira, 1 de abril de 2015

É MENTIRA - O MAROTO DO TIO BERNARDO




Já perdi conta aos anos que vivo nesta vila simpática onde todos se conhecem e se tratam por tu.
O progresso já se instalou, claro está, mas há regras, porque conseguimos que fosse declarada Patrimônio Nacional.
É o local ideal para escrever os meus romances policiais com um leve toque erótico, e o sucesso que estou a ter surpreendeu-me.
O meu editor está a pressionar-me para que faça uma pequena viagem de apresentação do novo livro, mas estou relutante. Desde que a minha mulher morreu, tornei-me mais solitário e não tenho muito paciência para elogios e perguntas sem nexo.
Por isso, quando o Jaime me veio visitar, achei que ele seria a pessoa ideal para apresentar o livro.
O Jaime estudou literatura moderna, é tradutor e conhece muito bem a minha obra. Já leu o novo livro, tem uma opinião sobre o tema que pode partilhar com o público.
Oh, tio, mas não fui eu quem escreveu o livro. As pessoas vão querer saber como te inspiraste, o porquê de misturar o policial com o erótico, etc....”
Dá a tua opinião! Diz que me quis afastar do crime tradicional, do detective corrupto... Inventa...” sugiro, mas o Jaime não está convencido e abana a cabeça.
Oh, tio Bernardo, está louco. Um livro é muito pessoal; sei lá porque resolveu escrever uma história sobre uma mulher detective e porque é que ela tem um "affair" com um stripper suspeito de homicídio. Porque lhe chamou Renata.” expõe veementemente. Lembra-me o meu irmão Miguel que também adorava um bom debate.
Dá a tua opinião!” repito “Renata era o nome da tua tia...”
Tenho a certeza absoluta de que a tia Renata não era... maluca, digamos!” confessa Jaime
Rio-me também e digo:
Mas era sexy....” e o Jaime atalha envergonhado: “ Não preciso de saber!”
"
Excerto do meu conto sobre a "Mentira" e publicado na Colectânea da Editora Pastelaria Studios com o mesmo nome.



2 comentários:

Sofá Amarelo disse...

Um conto que eu já tive o privilégio de ler todo e de ficar bastante agradado com a história e com a tua maneira de a contares.

Graça Pires disse...

Gostei do teu conto e do teu jeito de contar. Parabéns, Marta.
Um beijo.