sábado, 9 de junho de 2012

DOCEMENTE








FOTO DE AUTOR DESCONHECIDO




Há um poema que escrevo
no arrepio da pele
A verdade nua do desejo

O desejo de te ter em mim
Em traços que defino
No sopro do vento

Porque as rimas
escrevo-as docemente
na tua pele

5 comentários:

AC disse...

Marta,
Esse é um poema que não poderá deixar de ser intenso, sentido...
Belo!

Beijo :)

Nilson Barcelli disse...

Continua a fazer poemas assim, bons e sentidos. Gostei muito das tuas palavras.
Beijo, querida amiga Marta.

© Piedade Araújo Sol disse...

e tudo faz sentido...

muito belo!

beij

Secreta disse...

O desejo imenso de ter e ser , um só!
Beijito :)

Sofá Amarelo disse...

É no sopro do vento que as rimas são desenhadas no contorno do desejo, ao arrepio da pele, porque os poemas são definidos na nua verdade!