quinta-feira, 17 de maio de 2012

BORBULHAR


Pensa
Na fluidez com que os sentidos
tomam conta do teu corpo

Ouve
o borbulhar da paixão no poema
em que me tornas eterna

Em que me sinto eterna
e até a minha voz tem outro timbre...


ÓLEO SOBRE TELA “SUENO BRANCO” DE ALBERTO PANCORBO

6 comentários:

Sofá Amarelo disse...

A voz flutua na fluidez dos sentidos e a eternidade não é mais que um poema escrito no borbulhar da paixão, onde o timbre tem o silêncio dos sons!

Nilson Barcelli disse...

Gostei muito do borbulhar das tuas palavras.
O poema é magnífico.
Marta, querida amiga, tem um bom domingo.
Beijo.

Evanir disse...

Marta amiga querida perdoe minha ausência.
Sinto saudades de todos infelizmente estou atrasando todas minhas visitas.
Deus vai me abençoar ficarei bem assim poderei me dedicar as pessoas que tanto amo nesse mundo virtual.
Feliz semana..
Beijos meu carinho e minha saudades..

© Piedade Araújo Sol disse...

um borbulhar de poema sensual.

beij

Daniel Costa disse...

Marta

A sensualidade, pode arripiar e tomar outro sentido e palpitar, porque não o de borbulhar?
Beijos

Secreta disse...

Tão intenso este borbulhar :)

Beijito de bom fim de semana!

p/s: estou com duvidas se teras recebido o convite para visualizar o meu blog... agradeço que se não tiveres, me envies o teu email para secreta@simplesnet.pt para poder convidar-te.
Obrigada!