quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

ANGÚSTIA

Hoje,
vou gritar violentamente…
Como se tivesse perdido,
o juízo.
Que alguém me escute,
mas que não seja o Vento.
Para que as palavras fiquem completas
e não sejam fragmentos, farrapos…
De uma angústia,
que não sei,
não consigo explicar



Foto de Adriano Costa (1000 Imagens)

7 comentários:

tecas disse...

Querida Marta, se gritar ajuda, grita vem forte. Por vezes é necessário deitar cá para fora tudo o que nos vai na alma. Não é perder o juízo...é alivio. Excelente poema onde a angústia é tão forte e sentida. Desejo-te um FELIZ ANO NOVO. Que tudo o que ele tiver de bom, vá para as tuas mãos. Beijinho amigo e uma flor.

Paixão Lima disse...

Hoje, ouve-se o grito, o seu grito...
Grito violento e irado...
A alma revela-se e revolta-se...
Quanto ao Vento, que incomoda, surgiu do nevoeiro e desaparece no nevoeiro...
De substancial, fica o nevoeiro...

Álvaro Lins disse...

Marta: por vezes é essa angústia que nos faz olhar para o lado e....lá está:)!
Feliz 2012!
Bjo

© Piedade Araújo Sol disse...

por vezes temos de dar o grito que se encontra estrangulado.

um poema um pouco diferente dos que já nos habituaste.

Feliz 2012 para ti e tua Família,

Que se cumpram os teus sonhos.

um beij

Daniel Costa disse...

Marta

Na maior parte das vezes, a angústia é difícil de explicar.
Dasejo um Ano de 2012 cheio de esperança.
Beijos

Nilson Barcelli disse...

Às vezes vale a pena dar um grito...
Belíssimo poema. Gostei.
Querida amiga Marta, tem um excelente 2012.
Beijos.

Sofá Amarelo disse...

O vento pode levar as palavras mas decerto deixará fragmentos que compostos podem fazer com que as palavras fiquem completas de novo... as angústias podem ser explicadas à brisa suave, que entende mais as palavras que o vento violento...