quinta-feira, 15 de julho de 2010

SIMPLICIDADE



Pequei hoje por orgulho.
Ou talvez não.
Por falar sem rancores,
por aceitar a simplicidade das coisas.
Tal como saber que já não se está
no auge da vida,
mas que ainda não se envelheceu
totalmente.
E, desejar, simplesmente,
- oh, tão simplesmente -
que me beijes o umbigo,
me faças antecipar
uma nova forma de viver o prazer


"Move", foto de Marcus Steinmeyer (Olhares)
Textos protegidos pelo IGAC - Cópias, totais e/ou parciais, proibidas

6 comentários:

Secreta disse...

E na simplicidade das coisas, tudo acontece.
Beijito.

alice disse...

pecar é um bom prazer, às vezes :) beijinho grande e bom fim-de-semana, marta.

Sofá Amarelo disse...

Não há idades para a sensação de prazer, nem para os aludidos pecados, que no fundo são tudo menos pecados: é pecado, sim, desejar, e depois camuflar esse desejo com subterfúgios sociais, religiosos, ou outros... a Vida é algo sem retorno, ou se tenta atingir o auge ou então não vale a pena ser mais um número na contabilidade das finanças dos países...

Daniel Costa disse...

Marta

Poema ao teu jeito, o chamas fantasia, hoje, por hoje será menos, se falarmos em gente mais moderna.
Baijos

uminuto disse...

e na simplicidade da vida é tão deliciosamente bom sentir o prazer a inundar-nos de felicidade
um beijo

avlisjota disse...

Há sempre novas formas de viver o prazer que tal como o desejo não tem idade. E deve ser renovado a cada dia.

bjs e fica bem

José