segunda-feira, 19 de julho de 2010

MORTAL






Adormeço onde estou.
Por entre o cansaço,
os maus pressentimentos
e pesadelos marcantes.
Adormeço na saudade
que tenho de ti.
Acordo com o teu corpo
deitado em mim.
Num sorriso secreto,
íntimo que faz o
retrato do meu corpo,
que já te atrai,
já te busca,
já abusa de ti,
desperto no que é
subtilmente mortal.


Foto de Luis Mendonça "S/T" (Olhares)
Textos protegidos pelo IGAC - Cópias, totais e/ou parciais proibidas

8 comentários:

Nilson Barcelli disse...

Há tantas coisas que nos podem despertar...
Excelente poema, pleno de sensualidade, como já nos vens habituando.
Querida amiga, boa semana.
Beijos.

alice disse...

este teu verso "subtilmente mortal" é magnífico. um grande beijinho, marta.

Ianê Mello disse...

Belo poema!
Retrata a dor da ausência. Bj.

Secreta disse...

subtilmente desejado :)

Graça disse...

Gostei muito, Marta. Usas as palavras de uma forma que me agrada :).

Beijo meu.

Sofá Amarelo disse...

O subtilmente mortal está na paixão da entrega, no retrato que se faz dos momentos subtis e despertos atraídos pelos sorrisos secretos da intimidade...

Nuno de Sousa disse...

Magnífica... lindo mesmo. Bjs

avlisjota disse...

Lindo Marta! Quanta sensualidade...

bj

José