sexta-feira, 25 de junho de 2010

DENSO



Como posso ter medo de dizer "amo-te"?


Talvez porque dizer "amo-te"


é uma explosão, uma confusão.


É como se perdessemos o equílibrio e


nos refugiássemos no desespero da dúvida,


na ansiedade.


Como se tivéssemos desaprendido tudo


e tivéssemos que recomeçar a viver,


desbravando os densos caminhos da paixão.


Foto de Michellemonique "Temptation" (DevianTArt)

Textos protegidos pelo IGAC -

Cópias, totais e/ou parciais, proibidas

6 comentários:

alice disse...

que são, apesar de tudo, os mais bonitos caminhos da vida, marta. um grande beijinho e bom fim de semana.

Daniel Costa disse...

Marta

Sei que o que se escreve, é o prepasse na mente, é sempre uma proposta em que se deve racionar. Porém poder dizer AMO-TE, será salutar, devemos realmente poder dizer, a cada momento, o que nos vai na alma.
Beijos
Daniel

Sofá Amarelo disse...

Os caminhos da paixão são sempre densos e cada paixão é uma espécie de recomeço misturado com uma mão cheia de dúvidas embrulhadas em ansiedade... perde-se o equilíbrio, procura-se um refúgio,desespera-se mas... vale a pena, vale mesmo a pena!

ParadoXos disse...

qundo manos esperares o poema sairá - espontaneamente como uma resposta de amor!


:-)

beijos

Carla disse...

e tão difícil como dizer é deixar esse amor fluir
beijinho neste meu regresso e espero que esteja tudo bem contigo

Nilson Barcelli disse...

"Talvez porque dizer "amo-te"
......
(é)
Como se tivéssemos desaprendido tudo
e tivéssemos que recomeçar a viver"

Brilhante. Este conceito de reaprendizagem é inovador e verdadeiro.

Gostei do teu poema, minha amiga Marta. Belíssimo.

Boa semana, beijos.