domingo, 4 de abril de 2010

PAPEL PRINCIPAL


Tentei escrever qualquer coisa diferente.
E, quando tudo falhou, tentei escrever sobre a chuva.
Porque está uma noite de chuva e estou sozinha.
Neste palco, só existo eu, a luz do candeeiro e a chuva, que disseram, desaparecia esta noite.
Entreteria outra gente noutro local que não a minha janela.
Chamei-lhe, uma vez impiedosa; noutra, agradeci-lhe por ter ocultado as minhas lágrimas.
Hoje não sei o que lhe chamaria ou o que lhe agradeceria.
Hoje, estou cansada e doente e nem de ti quero falar.
Por isso, hoje vou fechar a luz mais cedo e se a chuva resmungar, deixa.
Nem sempre temos o papel principal.
Foto de José Ramos, "À procura de almas" (Olhares)
Textos protegidos pelo IGAC - Cópias, totais ou parciais, proibidas


9 comentários:

Sofá Amarelo disse...

Ter o papel principal é sempre relativo, pois muitas vezes a chuva pode servir para misturar as lágrimas com as gotas que escorrem na janela... e quantas vezes chove na alma sem que chova lá fora... a chuva que resmungue, o que importa é o aconchego da luz...

Nilson Barcelli disse...

Um belo texto, querida amiga.
Entretanto, uma boa notícia: o sol está aí e parece que veio para ficar uns dias...
Boa semana, beijos.

pin gente disse...

e será que o queremos ter (sempre)?
também é bom "... ouvir o cair da chuva e fazer da sua melodia o meu lamento".


um beijo, marta

Secreta disse...

Concordo, nem sempre temos o papel principal, mas podemos sempre ter a autoria da historia , em nós.
Beijito.

legivel disse...

... será por pouco tempo: a chuva está a um passo de voltar a ter um papel secundário.

E aí, regressarás ao papel que é teu por direito e num tempo propício (quente e seco) à representação de paixões incendiárias...

Beijos e sorrisos.

alice disse...

a tua página fica muito bonita com este fundo. oxalá as palavras se animem com o vestido novo :) um beijinho, marta.

Graça disse...

Por vezes, também é bom assumir outro papel... escreveste diferente, mas igual no sentir que sempre passa nas tuas palavras.


Um beijo, Marta.

Maluco do Pão disse...

A chuva foi a pedida dos últimos dias nos blogs... Escrever sobre chuva pode ser deveras interessante...

Daniel Costa disse...

Marta

Achei interessante a crónica, é evidente que nem sempre temos o papel principal, mas nunca será demais frisar.
Talvez por defeito de oficio procuro sempre saber o nome do autor, presumo sejas tu, por textos protegidos.
Beijos
Daniel