sexta-feira, 23 de abril de 2010

SONHOS E TESOUROS



Porque é que as palavras soam amargas e impacientes, não sei.


Permanecem em terra, embora o mar esteja aparentemente calmo.


Talvez seja por haver pouco vento e tenham medo de não chegarem intactas ao destino


Talvez seja eu o destino e não seja capaz de as pintar com as cores da aurora boreal
e o azul, que me está na mente, seja muito monótono.


Talvez os sonhos tenham fugido de mim, estejam agora enterrados na areia, à espera que, tal como numa caça ao tesouro, eu os abra ao mundo.

Já publicado no Facebook
Foto de Nuno de Sousa (obrigada, Nuno)
Textos protegidos pela IGAC - Cópias, totais ou parciais, proibidas

5 comentários:

Sofá Amarelo disse...

E enterrado na areia talvez esteja a chave para o tesouro que as palavras impacientes queiram esconder... mas um dia o vento levará a areia e deixará a descoberto as palavras com sabor a mar!

Daniel Costa disse...

Marta

Como fantasia poética, está deveras interessante e com imaginação.
Beijos
Daniel

uminuto disse...

por vezes fogem os sonhos, cabe-nos a nós a capacidade de os reencontrar
um beijo meu

Nilson Barcelli disse...

Os sonhos devem fazer parte de nós. E devemos lutar para os concretizar. Não convém, por isso, alimentar sonhos ireeais. Mas enterrá-los na areia também não é bom, ainda que se possam desenterrar...
Querida amiga, gostei do teu poema.
Boa semana, beijos.

avlisjota disse...

"Talvez seja por
haver pouco vento e
tenham medo de
não chegarem
intactas ao destino"

belo e excelente este poema.

Parabéns Marta, bjs e bom fim de semana