segunda-feira, 19 de novembro de 2007

NO MESMO SÍTIO

Gelam-se-me as mãos…
Mesmo com luvas, a pele está arroxeada, gretada…….
O vento passeia-se, cortante, pelas ruas…
Deparo-me
….inexplicavelmente com tempo…
Livre para mim….
E faço como o meu Pai...
vou ver se a “rua continua no mesmo sítio”….
A rua da minha infância...
.mas que há muito....
não vejo com “olhos de ver”………

P.S.: Imagem tirada da Net

7 comentários:

M.C. disse...

Marta,

Existem coisas que ficam Invisíveis aos olhos, mas visiveis por dentro.

(a)braços querida :)

Thunder disse...

Tenho um presente para ti no meu blog PróProf!
Espreita.

Alexandre disse...

Quantas vezes passamos milhares de vezes pelo mesmo sítio e não vemos as coisas «com olhos de ver». Porque tudo nos parece tão banal, mas não, as coisas do dia-a-dia não têm que ser necessariamente banais!

Muitos beijinhos!!!

125_azul disse...

Deu-me um arrepio... às vezes o que escreves vem tão de encontro ao que sinto... Beijinhos

TINTA PERMANENTE disse...

Por causa já nem sei de quê, acabei por me dar aqui, nesta rua, que do mesmo sítio, na verdade, só tem aquilo que não se vê tendo olhos de ver...

abraço.

myself disse...

Marta, lá para os lados do 1 vez por semana já há um novo desafio.

Shelyak disse...

...não vejo com "olhos de ver"...
Um beijinho que te deixo!