quinta-feira, 18 de agosto de 2016

A VERDADEIRA HISTÓRIA DO ZÉ DO LAÇO - PARTE VIII


Não sabemos o que se passa lá dentro.

Não me atrevo a fazer perguntas... Nunca devia ter dado ouvidos ao Zé da Viola! penso.

O guarda-costas está impassível. Aguarda... 

O quê? Não estou a gostar nada disto e tento sair do carro, mas Leão impede-me.

" Só quero apanhar um pouco de ar..." justifico, mas nesse momento, a porta abre-se e o nosso "convidado" aparece.

Continua de tronco nu, está descalço e parece transtornado.  

Leão saí do carro imediatamente e pergunta-lhe: " O que se passa? " e o outro responde:

" Creio que está morta!" e cai no meio do chão.

Corremos os dois para dentro da casa e não queremos acreditar no que estamos a ver.

Há garrafas partidas, cadeiras derrubadas, roupa rasgada no meio do chão. E sangue...

Ela está no meio do corredor, nua, a sangrar abundantemente da cabeça. 

Leão toca-lhe no pulso e confirma: " Está morta!"

 " O que fazemos? " pergunto, mas Leão não responde. 

Apressa-se a sair e deixa-me sozinho no meio daquele caos.

(CONTINUA)



2 comentários:

Anjopoesia Anp disse...

Realmente uma história aterrorizante que deixa o leitor curioso com o final diante do perigo, voltarei para ler a continuação, parabéns...

Sofá Amarelo disse...

O drama adensa-se até porque uma morte é sempre uma circunstância que empresta ao desenrolar da trama... tudo em aberto e imaginação no máximo para tentar saber o que se vai passar a seguir...