quinta-feira, 7 de abril de 2016

TARDE




Esta é a crónica de um dia de ilusão...

Por ter desejado que o Sol iluminasse o céu limpo de nuvens...

Mas esqueci-me do Vento... 

Esse Vento insuportável que se esconde nas esquinas e nas vielas...

Arrogante, trocista, desfaz-nos em segundos o sonho de um dia ameno de Primavera...

E depois... acalma.... 

Mas já é tarde... 




4 comentários:

Sofá Amarelo disse...

Muitas vezes o Sol brilha altaneiro mas o vento tenta roubar-lhe o brilho desafiando a serenidade que passa através dos tempos...

As Mulheres 4estacoes disse...

Lindo!
Tantas vezes o vento chega de imprevisto testando nossa coragem.
Um abraço,
Sônia.

© Piedade Araújo Sol disse...

pois é...assim como na vida
às vezes vem cá um vendaval que ate ficamos atordoadas
belo poema
:)

Ailime disse...

Boa noite Marta,
Tantas vezes que as nossas ilusões nos são arrebatadas.
Há ser mais forte que o Vento.
Beijinhos,
Ailime