quinta-feira, 19 de abril de 2012

PALCO


A noite é o palco
onde te mostro
a tela do meu desejo
e me encontro em ti.

Mas há noites
em que me sinto banal,
tão banal,
que tapo o espelho para não me ver,
para não me sentir.

Prefiro, então,
que o palco seja teu
e te desenhes na tela já rubra
do meu desejo
e te encontres
na puta e na deusa que há em mim.




AUTOR DA FOTO PASCAL RENOUX

5 comentários:

Sofá Amarelo disse...

A noite é o palco da verdade, pois é de noite que se escrevem as telas dos desejos e onde os espelhos reflectem os desenhos dos sentidos partilhados!

Pintor disse...

... em sensual cumplicidade ...

Nilson Barcelli disse...

Gostei muito deste teu poema.
A duplicidade do encontro foi muito bem conseguida.
Beijos, querida amiga.

Secreta disse...

Gostei especialmente neste poema, da frontalidade com que defines tudo o que "podes" ser no palco do amor e da paixão.
Beijito.

© Piedade Araújo Sol disse...

Palco que será sempre, mesmo que nem tenha plateia.

muito bom!

beij