quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

AO AMOR

Deixa que hoje seja o narrador.
Seja a voz da tua memória,
do teu sorriso secreto…
Seja o mensageiro do teu corpo.
Seja o beijo que renasce.
E te ama como ninguém mais o fará...
 Sou vaidosa? Talvez...
Convencida, quem sabe?
Mas,
com toda a certeza,
posso dizer:
Amo-te..


Foto de Pascal Renoux "Nu Rouge 3"

6 comentários:

Secreta disse...

E essa tua certeza faz toda a diferença! :)
Beijito.

Anita de Castro disse...

Poesia janela da alma
bj Marta

Daniel Costa disse...

Marta

Convencida ou não, o poema recomenda-se e o amor terá sempre de existir, a justificar a alma poética.
Beijos

Sofá Amarelo disse...

A 'voz da memória' navega no 'sorriso secreto', onde o corpo é mensageiro de cada vez beijo que renasce. Não há convencimentos nem vaidades quando se tem certeza daquilo que o narrador diz ao som das memórias do tempo!

Nilson Barcelli disse...

E como é bom poder dizer "amo-te"...
Excelente poema, gostei imenso.
Marta, querida amiga, tem um bom fim de semana.
Beijo.

© Piedade Araújo Sol disse...

ter certezas já é tudo...

beij