quarta-feira, 1 de abril de 2009

BORBOLETAS - PARTE IV







Não sei
Às vezes, não sei mesmo
Por onde desliza a minha caneta

Não sei se busca a felicidade
A mesma felicidade que não encontro
Todas as vezes que procuro o mar

Não sei se sou eu quem não respira
Ou se só respiro quando arranco da minha pele
Todas as frustrações e ansiedades
De uma vida controlada ao milímetro

Por isso, não sei se devo escrever
Gosto de ti
Do prazer que gozo quando sinto as minhas mãos
A namorarem docemente o teu peito

Encosto a minha cabeça em ti
Sinto a tua mão na minha nuca
Um beijo quente….

A minha caneta desenha borboletas
No papel de rascunho
Continua a deslizar
Continua a falar-me de ti

E eu aprendo a respirar sozinha….










(Foto "Formas vendem cores" Isabela Daguer, Olhares.Com)





(Textos protegidos pelo IGAC - Cópias proibidas)

8 comentários:

Patrícia disse...

Eu também me refugio no mar quando sinto uma profunda nostalgia. Respirar sozinha, "desligar" a presença de alguém tão proximo é sempre complicado.

Beijinhos=)
Patrícia

belakbrilha disse...

Tanto o mar, como qualquer lugar calmo, nos chama à realidade de NÓS!

...só espero que seja poucas vezes sozinha.

beijos

Nuno de Sousa disse...

A tua caneta qdo está na tua mão faz maravilhas, bela escrita sempre fantástico o que deixas aqui postado.
E tão bom dizer o qdo se gosta de uma pessoa por isso diz sem medos e vais ver como é bom sentir do outro lado o que dizem...
Bjs amiga e um bom dia para ti,
Nuno

Anónimo disse...

A mão que conduz a tinta,
a que se esvai na caneta condutora,
respira poesia.

Gostei de visitar teu espaço.

Bjo.

Giraldoff

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Não largue nunca a caneta, Marta, pois ela nos proporciona belezas difícies de se encontrar hj em dia.
Querida:
Publiquei hoje, em vez de domingo, mais um excerto do Capítulo I de O MORRO DOS VENTOS UIVANTES, no ARTE, porque uma amiga viaja sábado e quer acompanhar. Conto com a sua leitura e comentário.
Um beijo,
Renata

angel bar disse...

Como deve ser bom aprender a respirar sozinha... Bom fim de semana.

Sofá Amarelo disse...

«Do prazer que gozo quando sinto as minhas mãos
A namorarem docemente o teu peito»...nunca deveríamos respirar sózinhos... há sempre alguém que deve respirar não connosco mas por nós...

Peter disse...

Dos melhores que tens escrito. Muito belo.