sexta-feira, 10 de setembro de 2004

IRMÃS

Guerras curtas, mas por vezes dolorosas - de papel, de almofada, do que vier à mão!
Gritos de raiva, de dor, de fazer positivamente "gelar o sangue"!
Esconderijos, palavras passe para dar acesso a segredos só nossos!
Lanches com coisas surripiadas da despesa, quando a mãe não está a ver!
Cochichos à hora de dormir na escuridão, quando se está proibido de falar.
Confidências de tudo e de nada; queixas injustas e conselhos valiosos.
Como Pam Brown diz:
"Quem nos felicita pela nossa mais incrível façanha com um
"Boa! Eu não te disse que ias conseguir?"
Estranho ter lido esta citação e saber que é o que a minha própria irmã me diz muitas vezes! Porque é verdade; ela sabe o quanto me esforço por conseguir viver a vida em pleno!