terça-feira, 20 de outubro de 2015

EU



Hoje quis fugir...

De mim, do Mundo... 

Mas ir para onde se tudo o que preciso é ver claro?

Fechar os olhos por um momento e deixar que a mente se eleve acima do nevoeiro...
Respire profundamente e guie, então o olhar até ao limite do horizonte...

Aí, sei que vou encontrar paz e palavras... 

Para me reescrever... Para me inspirar... Para voltar a ser eu...





5 comentários:

Sofá Amarelo disse...

Às vezes é preciso abandonar tudo, ou quase tudo, ir até ao limite do horizonte e respirar profundamente... a paz e as palavras reescrevem-se quando a mente se eleva acima do nevoeiro...

Ailime disse...

Olá Marta,
«Fechar os olhos por um momento e deixar que a mente se eleve acima do nevoeiro...
Respire profundamente e guie, então o olhar até ao limite do horizonte...». Muito belo o que escreveu!
A paz de que fala acontecerá e sentir-se-á mais leve e tudo fluirá como deseja.
Um beijinho e uma noite descansada.
Ailime

Graça Pires disse...

Procurar a paz interior. Encontrá-la dentro do coração...
Beijo, Marta.

As Mulheres 4estacoes disse...

Lindo e sensível! Às vezes também me sinto assim, longe de mim e do mundo.
O silêncio tem o poder de nos conectar novamente com nossa essência.
Um abraço, Sonia.

Helena disse...

Chega sempre um momento em que nos julgamos perdidos no tempo e espaço, com a sensação de que nos perdemos de nós mesmos. Fica até difícil divisar o limite do horizonte, pois um nevoeiro parece toldar o nosso olhar. As palavras parecem fugir e a paz se torna de difícil alcance. Só aos poucos conseguimos encontrar o ar para respirar e o olhar desanuviado, mas sempre conseguimos, pois somos movidos pela vontade própria de sobrevivência. São momentos que ninguém pode viver por nós nem aconselhar nem nos seguir, pois o caminho, mesmo com curvas e pedras, só a nós compete seguir.
Pode ter certeza, querida amiga, que hás de encontrar esse equilíbrio entre a paz e as palavras... E hás de reescrever tuas condutas, de readquirir a inspiração e de voltar a ser quem sempre fostes: uma pessoa de alma iluminada que traz nas postagens a sinceridade, a bondade e o amor pela vida, uma Marta Vinhais que traz a poesia no coração e nos faz partilhar de momentos intensos, profundos, verdadeiros.
Te admiro muito, minha querida, e nunca deixe que outros possam ensombrar o teu lindo olhar para a vida.
Um terno beijo nesse imenso coração,
Helena