terça-feira, 6 de outubro de 2015

O PERSEGUIDOR




Tenho saudades de falar com o Vento... 

De sentir o meu grito embrulhado no seu sopro... 

E dessa paz que me acaricia quando o faço...

Mas o Vento, hoje, não me escuta... Espreita pela frincha e foge...

Como se alguém o perseguisse...  Mas quem? 

Se é sempre o Vento o perseguidor...





3 comentários:

Ailime disse...

Boa noite Marta,
Que lindo!
Deixe que o Vento lhe bata à porta, porque ele não desiste dos seus intentos!
Sublime metáfora!
Um beijinho.
Ailime

margusta disse...

Belo Marta!
Também me fascina tanto o vento...
Beijinho de boa noite!

Sofá Amarelo disse...

O vento está sempre à frente de quem o persegue mas tem a vantagem de poder voltar atrás, rodopiara, calar-se, voltar em força, de cima e de baixo e dos lados... porque o vento é sempre o perseguidor...