sábado, 3 de outubro de 2015

AOS OUTROS



Às vezes, convenço-me de que sou inútil...

Deixo que os outros me convençam disso... Mas depois olho-os... 

Vejo-os... Abertamente... 

Presos na inutilidade, na culpa ... Que é sempre dos outros...

Também tenho as minhas culpas... Mas há muito que deixei de culpar os outros...

E faço o que me faz sentir útil... A mim... Aos outros...





2 comentários:

Sofá Amarelo disse...

Ninguém é inútil quando consegue transmitir aos outros pedaços de aberturas... sem desculpas, porque ainda que nos tentem convencer da inutilidade, essa começa em quem a profere e insinua...

Helena Medeiros Helena disse...

Vim caminhando pelas estradas por ti já percorridas e conhecendo dores, pesares, mágoas, que deixaste em versos contritos, machucados, doídos...
Entendo a tua dor, apesar de não saber qual a dor que te atinge, mas quem sofre de alguma tristeza passa a entender todo tipo de emoção contrária à felicidade que um dia foi sentida. Mas também não é necessário estar-se infeliz para compreender a infelicidade do outro, basta comungar o espírito de solidariedade, de empatia.
Apesar de que eu te entendo justamente pela tortuosidade do caminho que tenho percorrido.
Marta, desculpe ter chegado assim, de inesperado, ao teu espaço. Mas tenho visto comentários teus em blogs de amigos e confesso que gosto do que escreves. Hoje vim te visitar, mesmo sem convite, e atrevi-me a entrar e perscrutar os teus escritos. Gostei muito da tua forma de transitar pela vida e dela extrair o sumo da poesia. Gostei muito de te ler. Teus versos são sentidos, profundos, e chegam de forma plena ao nosso coração.
Desejo que horas lindas venham a enfeitar o teu domingo, e que possas um dia realizar o desejo que expressaste ABERTAMENTE de viajar no tempo e “regressar aos momentos em que fostes “verdadeiramente feliz” para que pudesses rir abertamente, com prazer, com paixão “como se dominasse o Mundo” e este te obedecesse nos mínimos pedidos. Que um dia consigas chegar a este estágio, minha querida.
Receba meu carinho num beijo no teu coração,
Helena
(http://helena.blogs.sapo.pt)