domingo, 18 de julho de 2021

O JANTAR DANÇANTE


Está decidido: ou fico a dormir no Hospital ou alugo uma casa.

Não posso ficar aqui em casa, o Pai parece não entender que tanto eu como a Joana, a futura estrela do jornalismo, escolhemos profissões sem horários.

Principalmente agora que vou começar a especialização e o pouco tempo que tenho livre é para dormir, divertir-me.

Acho que a Joana está a pensar o mesmo, mas para ela é mais complicado sair, pois vive da mesada dos Pais.

Se ficam surpreendidos por eu aparecer para jantar naquele domingo, não dizem.

A Avó Berta está presente, tem sempre histórias divertidas para contar e quer saber tudo o que acontece com o futuro médico.

Pena que não te possa consultar, diz, o meu neto doutor!

Posso sempre aconselhar um colega, sugiro, ah, e um rapaz jeitoso, por favor, responde a Avó.

Oh, Mãe, que disparate! interrompe o Pai, mas a Avó ri-se.

Estou velha, mas não tão velha assim! Ainda sei apreciar um homem, protesta a Avó, precisas de sair mais, estás a ficar antiquado!

A Mãe esconde um sorriso e a Joana ri abertamente.

Está difícil convencê-lo a sair, observa a Mãe, desde que frequentou aquele workshop de carpintaria, passa a maior parte do tempo fechado na garagem a fazer trabalhos de madeira!

Não tenho paciência para aturar o grupo, explica o Pai, o Mário está sempre a queixar-se da Francisca, o Paulo está mais interessado na garrafa e o Amadeu só fala de futebol!

Não temos obrigatoriamente de sair com o grupo, comenta a Mãe, as minhas colegas falaram-me num jantar dançante num Hotel da cidade, acho que é na próxima semana; podíamos ir, estávamos com pessoas diferentes, conhecíamos outras!

Um jantar dançante? repete a Avó, que ideia interessante! Achas que também posso ir?

Ficamos todos a olhar para ela.

CONTINUA


3 comentários:

Elvira Carvalho disse...

E lá vou eu para outra história com o mesmo entusiasmo de uma criança para uma corrida de carrossel.
Abraço, saúde e bom domingo

José Alex Gandum disse...

Que riqueza de diálogos e de narrativa descritiva, com uma objectividade geralmente só ao alcance dos grandes escritores... E Ainda por cima terminas a primeira parte com um suspense muito apelativo. Muitos parabéns... mais uma história que promete...

Cidália Ferreira disse...

Que maravilha de começo!:)
--
Procuro a paz que anda perdida
-
Beijo, e uma excelente semana..