quinta-feira, 31 de outubro de 2019

JANTAR MISTERIOSO - PARTE VI



Letícia fica a olhar para o telefone, não acredita no que ouviu.

Mas quem pensa o Gustavo que é para lhe falar assim? Como se lhe estivesse a dar uma ordem e ela tivesse que obedecer!

Ok, até foi bom vê-lo após tantos anos, mas alterar a vida dela só porque ele o diz?

Nem o Amadeu faz isso, muito menos um arrogante como o Gustavo parece ser.

Por isso, pede à colega para não lhe passar qualquer chamada de um Dr Gustavo Negrão e avisa a portaria de que não está para ninguém com esse nome.

Ignora os SMS e as chamadas para o telemóvel e prepara a agenda do dia.

É um dia complicado que acaba tarde e a Letícia já não pensa no que se passou ao início da manhã quando entra no parque de estacionamento.

Arranca e é quando entra na rotunda que vê que um carro preto a está a seguir.

Abranda, talvez queira passar à frente, mas o outro carro ignora a manobra e continua a segui-la.

Letícia fica apreensiva, não consegue ver a matrícula e pensa confrontá-lo quando o carro parar num semáforo.

Não, não é boa ideia, melhor continuar a guiar e fingir que não está a acontecer.

Felizmente para a Letícia, o Amadeu acha que está a ficar tarde e resolve ir à procura da mulher.

Por isso, quando a Letícia vira para a rua onde mora, encontra já o marido no carro pronto para arrancar.

" O que aconteceu? Disseste que vinhas tarde, mas não pensei que fosse assim tão tarde!" queixa-se o Amadeu e saí do carro.

Ao ver o Amadeu, o Gustavo faz marcha-atrás e segue na direcção oposta.

Já em casa, a Letícia desabafa com o marido e este fica estupefacto.

" Pouco falei com ele, mas fiquei com a impressão de que quer mandar no Mundo e nos outros." confessa o Amadeu " Também acho que o casamento deles é só fachada... Não me perguntes porquê..."

" Nunca pensei que ele fosse agir assim. Vamos ver o que acontece agora!" diz a mulher e suspira de cansaço.

Deitam-se e a Letícia, como só vai trabalhar de tarde, fica na cama depois do Amadeu sair.

O telemóvel está sempre a tocar, mas quando vê que é o Gustavo, bloqueia a chamada.

Quando chega à empresa nessa tarde, há um outro ramo de flores na portaria e o segurança diz que a pessoa que o entregou tinha instruções para o deixar de qualquer maneira.

" Ofereça a alguém, peça à D.Beatriz que faça um arranjo para o balcão... não quero isto no meu gabinete!" pede a Letícia, perturbada.



CONTINUA

quarta-feira, 30 de outubro de 2019

JANTAR MISTERIOSO - PARTE V


" Adorei ver-te. Almoço 2ª Feira no Luigi às 13h?" diz a mensagem e a Letícia pensa:

" Este tipo não regula bem da cabeça... Viu-me hoje pela primeira vez em vinte anos e quer já encontrar-se comigo? " e apaga o SMS.

No dia seguinte, almoçaram em casa dos Pais do Amadeu e acabaram por só regressar a casa ao fim da tarde.

Letícia sente o telemóvel a vibrar, sinal de que está a entrar um novo SMS e fica surpreendida por ver que é do Gustavo.

" Almoçamos amanhã? Vou ter contigo? " e meia hora depois, há um novo SMS.

Letícia resolve responder, está a enervá-la, se não respondeu é porque não está interessada, será que não entende?

" Obrigada, mas tenho um almoço de trabalho a que não posso faltar." e pensa que o assunto fica resolvido, pois os SMS param.

Contudo, ao chegar à empresa naquela manhã, o segurança entrega-lhe um grande ramo de flores.

Não tem cartão, mas a Letícia sabe de imediato que é do Gustavo.

" Disseram alguma coisa? " pergunta e o segurança abana a cabeça:

" Não, apenas que lho entregasse em mão." e a Letícia agradece e sobe até ao quinto andar onde trabalha.

O telefone da secretária já está a tocar, olha rapidamente para o relógio, não está atrasada, quem será? murmura ao tocar na tecla de Voz Alta.

" Bom dia, fala Letícia Mourão. Em que o posso ajudar? "

" Olá, bom dia. És uma mulher difícil de encontrar!" diz o Gustavo e a Letícia fica sem palavras durante uns segundos.

" Quem te deu este nº? " observa e o Gustavo ri-se.

" Encontro sempre uma maneira. Então, vamos almoçar? " insiste.

" Não, não posso, tenho um almoço de trabalho." e a resposta do Gustavo assusta-a.

" Desmarca!" e desliga.

CONTINUA



terça-feira, 29 de outubro de 2019

JANTAR MISTERIOSO - PARTE IV


Entretanto, o Amadeu regressa do bar, as apresentações são feitas e anunciam o jantar.

Os dois casais acabam por se sentar frente a frente e a entrada é servida.

A meio do prato principal, o homem que está sentado ao lado de Catarina faz uma observação e a mulher do Gustavo responde.

O Amadeu já está a conversar com a senhora que se sentou ao lado dele sobre vinhos (tinha que ser, pensa a Letícia) e o Gustavo esforça-se para chamar a atenção da ex-colega.

Não é possível, porque tanto o parceiro da Letícia como o do Gustavo querem falar com ela e a mulher do Amadeu sente-se lisonjeada e conversa animadamente com os dois homens.

É só quando retiram os pratos e dizem que o buffet de sobremesas está aberto que o Gustavo, sem prestar atenção à mulher, se aproxima e segreda:

" Quero encontrar-me contigo um dia destes. Dá-me o teu numero de telemóvel, email e combinamos um almoço."

Letícia fica sem saber o que dizer, mas o Gustavo já lhe estende o telemóvel e insiste no numero.

Escreve-o rapidamente, a Catarina aproxima-se, mas o Gustavo é rápido e mostra-lhe a fotografia dos filhos.

Uma senhora toca no ombro da Letícia e pergunta-lhe onde comprou o vestido.

Ficam a conversar sobre moda uns minutos até que o Amadeu a reclama.

Está muito satisfeito, conseguiu uns bons contactos para futuros negócios e a Letícia fica aborrecida.

" Acho que o objectivo destes jantares não é esse. É para conviver com outras pessoas, outras mentalidades, objectivos."

" E, isto não é conviver???" observa o marido e a Letícia opta por ficar calada.

Chegam a casa por volta da uma da manhã e o Amadeu deita-se de imediato.

A Letícia ainda fica na sala, está inquieta e não sabe bem porquê.

O telemóvel toca, entra uma mensagem e a Letícia sabe que é do Gustavo.

CONTINUA

segunda-feira, 28 de outubro de 2019

JANTAR MISTERIOSO - PARTE III


O jantar é num antigo casino, agora desactivado e o Amadeu murmura qualquer coisa sobre pó e ruínas.

Ambas ficam surpreendidos com a decoração luxuosa da sala onde vai decorrer o evento.

Há um bar num dos cantos da sala onde servem bebidas mais forte que o champagne que é oferecido pelos empregados vestidos a rigor logo que entram.

Do outro lado, há um roleta e no centro, há uma grande mesa em L.

Ah, pensa a Letícia enquanto bebe o champagne, não nos dividem em grupos. Deus queira que me sentam ao pé de alguém simpático.

Vira-se à procura do Amadeu, que foi procurar uma bebida mais forte e é surpreendida por alguém que lhe pergunta:

" Letícia? Letícia Montez? " e Letícia vê um homem alto, com cabelo grisalho cortado à militar e uns olhos azuis que a observam com troça.

" Não te lembras de mim? Estou chocado!" diz bem-humorado e a Letícia demora uns minutos a identificar o ex-namorado.

" Gustavo Lourenço! Por aqui? " e Gustavo, sorridente dá-lhe um grande abraço.

" O mesmo te pergunto eu! O que fazes aqui? Não tens a carreira emocionante no estrangeiro que ambicionavas? " e ri-se.

" Estive um ano em Inglaterra e agora trabalho como assistente de direcção numa das sucursais da empresa onde estagiei." explica a Letícia " E, tu? "

" Estou num banco de investimentos, como director!" acrescenta o Gustavo " Mas, fala-me de ti? Casaste? Tens filhos? "

" Sim, à primeira questão, o Amadeu está ali no bar. E, não à segunda!" responde a Letícia e cala-se quando se aproxima uma mulher, um pouco roliça e cabelo mal penteado com um vestido que lhe assenta mal.

" Ah, esta é a minha mulher, a Catarina. Esta é a Letícia, uma colega de faculdade que não vejo há anos." apresenta o Gustavo, descontraído.

As duas mulheres apertam as mãos e a Letícia repara que a Catarina a observa atentamente.


CONTINUA

domingo, 27 de outubro de 2019

JANTAR MISTERIOSO - PARTE II


O colega indica-lhe uns sites que a Letícia explora mais tarde na Net.

Claro que o Amadeu não fica entusiasmado com a ideia.

" Jantar com desconhecidos, não saber o que vão servir e ainda por cima, ter que ir mascarados??? Estás doida?"

" O Leonardo diz que não é obrigatório, mas deve ser muito divertido. Ele diz que encontrou uma colega de faculdade que não via há anos." diz a Letícia.

O Amadeu não sabe muito bem o que pensar e olha-a atentamente.

A Letícia está com um fato de treino cor-de-rosa e prendeu o cabelo preto num rabo de cabelo.

Está perfeita, pensa o Amadeu e cede. Tudo para manter esta mulher sensual feliz.

" Ok, explica-me como isto funciona." e fica ainda mais confuso quando a mulher lhe diz que só sabem onde vão jantar uma ou duas antes do evento.

Que disparate, mas não o diz alto, pois há muito tempo que não a vê tão feliz.

Uma semana depois, através do Facebook a Letícia sabe que o tema do próximo jantar é o espião mais conhecido do Mundo, James Bond.

Isto significa que o Amadeu tem que ir de smoking e ela tem o vestido perfeito para a ocasião.

Inscreve-os e avisa o Amadeu para não marcar nada para aquele sábado, pois têm o jantar misterioso.

" Mas já te disseram onde é?" insiste o marido, mas a Letícia abana a cabeça.

" Só nos dizem uma hora ou duas antes. O jantar começa às oito e meia da noite, por isso, lá para as seis e meia, sete horas devemos saber alguma coisa. Vê se tens o telemóvel carregado..." avisa, pois o Amadeu é muito esquecido e é capaz de estar o dia inteiro com o telemóvel desligado.

Por isso, no sábado de manhã, a Letícia vai ao cabeleireiro, leva uma foto de uma das " Bond Girls" para que a maquilhagem seja igual.

O Amadeu encontra-se com o Alberto no ginásio e os dois riem-se da ideia " maluca" da Letícia.

" Oh, pá, desde que a comida e a bebida sejam boas, não te preocupes... " aconselha o Alberto " Diverte-te... depois conta-me e eu convenço a Beatriz a ir também...."

Às seis e meia, a Letícia está já vestida e pronta para sair.  O marido é um pouco mais lento a preparar-se.

CONTINUA

sábado, 26 de outubro de 2019

JANTAR MISTERIOSO


" Estou aborrecida!" diz a Letícia ao Amadeu naquela manhã de domingo.

O Amadeu não entende bem porquê...  

Está um dia de chuva, é certo, mas eles estão confortáveis, sentados em frente à lareira acesa e a beber chocolate quente.

" Queres ir ao cinema? Não convidamos os Meireles para jantarem connosco?"

Mas a Leticia abana a cabeça e diz que os Meireles são aborrecidos e desmarcou o jantar.

" Mas porquê? " Amadeu está confuso e preocupado com o humor da mulher alta, elegante que está sentada ao lado.

" Tu e o Alberto só falam de vinhos e corridas de automóveis e a Beatriz só se preocupa com a nova maquilhagem, o novo corte de cabelo. Estou farta!" explica a mulher.

" E, tu? " replica o marido, mas a Letícia dá-lhe um soco amigável no braço.

" Qualquer mulher se preocupa com isso! Mas com a Beatriz é uma pura obsessão a ponto de comprar uma saia igual ou parecida com a da colega, só para dizer que tem." responde a Letícia.

" Sim, o Alberto disse qualquer sobre ter que cancelar os cartões, pois ela estava a esgotar rapidamente o plafond." observa o Amadeu.

A mulher encolhe os ombros e aceita a proposta de irem ao cinema e jantarem fora.

No dia seguinte, um colega fala que participou num " jantar misterioso " e a Letícia fica curiosa.

" Como é que funciona? " pergunta-lhe na hora de almoço.

" Só sabes onde é uma ou duas horas antes. Pode ser numa praia, num prédio em construção, numa livraria... Não sabes o que vais comer ou quem se vai sentar ao teu lado. " responde o colega " Tens que te inscrever no site da empresa..."

" Há uma empresa então? " interrompe a Letícia.

" Sim, uma empresa de eventos que trabalha com um restaurante." confirma o Ricardo " Está sujeito a um tema, o do sábado passado foi numa tasca e pediram-nos para irmos vestidos como os Irmãos Metralha, o Joker.... "

" Ah, deve ser engraçado! Sabes quando vai ser o próximo? " diz a mulher do Amadeu.


CONTINUA

sexta-feira, 25 de outubro de 2019

O FILHO - O FIM


A primeira semana em casa é caótica, com a Sofia a chorar todas as horas da noite e o Brites, quando regressa ao trabalho, até adormece enquanto lhe transferem a chamada para outro departamento.

Afinal, segundo um antigo informador do Inspector Leandro, a Luísa Carolina foi paga pelo Gangue para testemunhar contra o marido, que sabe-se agora, não era casado com ela.

Porque é que o advogado dele não contestou o facto, ninguém sabe e não o podem interrogar, pois, tal como o cliente, ele está algures no estrangeiro sem data para voltar.

O que é que ele terá feito para ser incriminado pelo próprio Gangue está a ser investigado pela Brigada Anti-Gangues.

Nesta Brigada, apenas querem saber quem matou a Luísa Carolina e há duas hipóteses: ou foi o dito "marido" ou o próprio Gangue para não deixar pistas soltas.

" E, a criança? O que é que vai acontecer à criança? Vai ser entregue à Segurança Social?" pergunta o Brites.

" Eu e a Madalena estamos a pensar em adoptá-la." diz o Bernardes e o Brites fica surpreendido.

" Os nossos filhos estão a crescer, temos um ambiente familiar estável... e é disso que ela precisa." continua o Inspector.

Quando nessa noite conta a Carla, esta responde que já sabia.

A Madalena apareceu lá, ajudou-a a tratar da Sofia, deu-lhe algumas dicas e falou no assunto.

" Ainda bem! Estou muito contente que a miúda tenha encontrado uma boa casa... Coitadinha, se calhar, ia passar anos à procura de uma família!" admite o Brites.

" E a família da Mãe? " pergunta a mulher, mas o Brites explica-lhe que não manifestaram qualquer interesse em ficar com a criança.

Por isso, a Maria Clara, como o Bernardes e a mulher decidiram que se chamaria, junta-se ao Gustavo e à Matilde e torna-se companheira inseparável da Sofia.

As duas vão ser uma verdadeira dor de cabeça para as respectivas Mães.


FIM

quinta-feira, 24 de outubro de 2019

O FILHO - PARTE VI


A Sofia nasce nessa madrugada e o Pai Brites, que assiste, está tão feliz que, por uns minutos, é incapaz de compartilhar a boa nova com os sogros e os pais que estão na sala de espera.

Quando finalmente consegue falar, os gritos de alegria são tantos que o segurança lhes chama discretamente a atenção de que estão num Hospital.

A Carla está muito cansada, está a descansar e a família resolve fazer o mesmo.

Brites avisa o Inspector, este diz-lhe que descanse, passe o dia com a mulher, nada de se preocupar com o caso.

Por volta das quatro da tarde, a Sofia é apresentada oficialmente aos avós e todos querem tirar uma foto com ela.

As tias reclamam a vez e a Sofia começa a ficar agitada. 

Desata a chorar, a Carla fica aflita e o Brites fala pausadamente à filha, aconselhando-a a ter calma.

A enfermeira, que entra naquele momento, ri-se e diz que é melhor voltarem no dia seguinte.

Mãe e filha têm que descansar e, embora com relutância, todos se despedem.

Apenas a Mãe da Carla fica, vai dormir lá nessa noite e o Brites decide passar pela Esquadra.

O Bernardes felicita-o mais uma vez, diz que a Madalena deve ir no dia seguinte visitar a Carla e quanto ao caso, tem muitas novidades.

A Luísa Carolina adoptou o bebé no estrangeiro, estava apenas à espera dos documentos oficiais para formalizar a adopção.

Quando ao suspeito do crime só pode o ex-marido.

" Sabemos com quem esteve associado, eles têm bons contactos no estrangeiro e podem ter-lhe facilitado o regresso.  Estamos a investigar várias pistas." concluí.

" Ok, eu leio as notas e amanhã, posso...." mas o Bernardes interrompe-o:

" Nem pensar! Fique uns dias com a Carla e a bebé!"


CONTINUA

quarta-feira, 23 de outubro de 2019

O FILHO - PARTE V


A vítima foi testemunha por parte da Acusação num caso de fraude contra o próprio marido.

Este fugiu para o estrangeiro, provavelmente para um País sem acordo de extradição e a pergunta que o Brites faz de imediato é:

" Será que descobriu onde ela morava e matou-a? "

" Sim e a criança? " repete o Bernardes " Só se a adoptou num outro País? Vamos verificar se ela saiu do País, contactar agências de adopção internacionais... Deve existir um registo algures e temos que o encontrar."

O resto do dia é passado a verificar várias pistas e o Brites chega a casa tão tarde que a Carla está já a dormir.

Na manhã seguinte, está de mau humor, ainda por cima, a reunião com a Segurança Social foi adiada.

" Será que não entendem que isto é importante? " desabafa, mas a Carla sente-se muito cansada e está sem paciência para o ouvir.

" Não sei se é importante! Sinto-me muito gorda e cansada. Quem me dera que ele nascesse hoje!" replica.

" Espero que não! Estou no meio de um caso importantíssimo!" responde o marido e a Carla atira-lhe uma almofada.

" E O NOSSO FILHO? Não é importante? " grita a mulher desesperada e o Brites suspira.

O Bernardes bem que o avisou que o humor das mulheres nesta fase altera-se rapidamente, mas a verdade é que ele não está a conseguir lidar com isso.

Não disse nada de mais, mas a Carla ofendeu-se.

O melhor é telefonar à sogra e pedir-lhe para vir passar o dia com a filha.

Pega no telemóvel, começa a procurar o numero, mas a Carla grita novamente.

" O que foi desta vez? " pergunta, desesperado.

" Ai, acho que ele vai nascer hoje." e o Brites perde a calma que o caracteriza e age como se não soubesse que o mais sensato é avisar o médico e conduzi-la rapidamente à Clínica.


CONTINUA


terça-feira, 22 de outubro de 2019

O FILHO - PARTE IV


O Brites não gosta de impasses... 

Todas as pistas que têm seguido não são em nada e ele começa a suspeitar que tudo na vida desta mulher é uma encenação.

Mas qual o papel da bebé? É isso que o preocupa, pois os testes de ADN provam que não é filha dela e isso sugere que houve um rapto.

Brites está a pensar em tudo isto quando chega a casa. A Carla parece mais bem disposta e pergunta-lhe timidamente pelo caso.

Como o marido encolhe os ombros, a Carla convida-o a ver o quarto do bebé.

A Carla escolheu uma cor não muito tradicional, verde claro (tanto dá para menino como para menina, explica) e os móveis são brancos com uma barra do mesmo tom da parede.

O Brites não concorda que o berço fique tão próximo da janela (o Sol vai incidir directamente na carinha), mas aceita a sugestão da mulher de trocaram a posição do biombo.

O berço fica no mesmo sítio, mas o biombo é colocado em frente da janela.

Satisfeitos, sentam-se no sofá e o Brites aceita uma bebida.

" Não há nada que se possa fazer pelo bebé?" questiona a Carla.

" Sabemos que não é filha da vítima, mas não temos mais dados." responde o marido.

" Suspeitam de um rapto? Foi ela a raptora? " observa a mulher, mas o Brites suspira, desanimado.

" Ou ela limitou-se a tomar conta da bebé? Teve dúvidas sobre o que se estava a acontecer e recusou-se a entregar a criança? " continua a Carla e o marido olha-a surpreendido.

" É uma hipótese! Estamos a investigar todos os casos de bebés desaparecidos..." e Brites beija-a apaixonadamente.

No dia seguinte, discute a ideia com o Bernardes e nessa tarde, o Sargento da Secção 8 entrega-lhes um ficheiro que se revela deveras interessante.


CONTINUA

segunda-feira, 21 de outubro de 2019

O FILHO - PARTE III


A Carla desata a chorar e fecha-se no quarto.

O Brites tenta pedir-lhe desculpa, mas ela ignora-o e ele tem que dormir no quarto de hóspedes.

No dia seguinte, antes de sair, o Brites bate novamente à porta do quarto, mas a Carla não responde e ele sai de casa muito irritado.

A Madalena, a mulher do Bernardes, convida a Carla para almoçar e esta queixa-se do feitio do Brites.

" Parece que não está feliz com o bebé... Sugeri uns nomes e ele explodiu!" queixa-se.

" Não, não, o Bernardes diz que ele está muito feliz!" garante a mulher do Inspector " Acho que é este caso que os está a perturbar..."

" Que caso? " pergunta a Carla " O Brites não me disse nada... mas também não lhe perguntei."

" O Bernardes não me disse muito, mas sei que há um bebé no hospital e uma mulher muito maltratada." explica a Madalena " Isso afecta qualquer um... ainda para mais, alguém que vai ser pai pela primeira vez."

" Oh, meu Deus! E eu tão preocupada com a lista de nomes. O que vai acontecer à bebé?" pergunta a Carla.

" Estão a tentar encontrar a família; para já, está no hospital, depois deve ficar à guarda da Segurança Social." responde a Madalena.

" E, não podemos fazer nada? " insiste a Carla, mas a Madalena abana a cabeça.

" Pensei em a visitar no Hospital, mas como é o Bernardes que está a tratar do caso, não posso.... Vais ter que ter paciência... Tanto o Bernardes como o Brites estão a pensar, ai, meu Deus, se acontecesse uma coisa assim à minha mulher e aos meus filhos? " aconselha a Madalena.

Nesse exacto momento, o Hospital avisa o Inspector Bernardes de que a vítima não resistiu aos ferimentos.

E, eles continuam sem pistas para avançar.


CONTINUA


domingo, 20 de outubro de 2019

O FILHO - PARTE II


O caso é estranho, diz o Bernardes mais tarde. 

Até pode ser um simples caso de violência doméstica, mas os vizinhos dizem que o marido da vítima morreu há seis meses.

" Mas o que se passou exactamente?" pergunta o Sargento e o Bernardes conta que os vizinhos ouviram o bebé a chorar, bateram à porta, mas como ninguém respondeu, chamaram o 112.

Quando os bombeiros arrombaram a porta, encontraram uma mulher bastante maltratada caída no chão da sala e um bebé a gritar com fome no quarto.

O prognóstico da mulher é reservado, acrescenta o Inspector e o bebé está também no Hospital.

" Não há qualquer problema com ele. Só precisava de ser hidratado, mas os médicos acham que ele deve ficar lá uns dias. " diz o Bernardes.

" Ok, vou mandar o Lucas ao Hospital falar com os médicos e nós vamos até ao local do crime? " sugere o Brites. 

" Sim e o Gonçalves também pode vir. Interroga novamente os vizinhos, quero saber mais sobre a vítima, o marido, o bebé..." decide o Bernardes " O Sargento Gonzaga da Secção 8 que tente localizar a família."

Nessa noite, o Brites chega a casa muito cansado. 

Segundo os vizinhos, a vítima é uma pessoa reservada, ainda mais depois que o marido morreu, mas o que é estranho é que ninguém sabe o nome dele, se morreu num acidente ou de doença natural.

A Carla está sentada no sofá a fazer lista de nomes e anuncia que está indecisa entre Luisa e Carolina.

Como a vítima se chama Luisa Carolina, o Brites replica secamente que nunca, jamais na vida, uma filha dele terá um desses nomes.

CONTINUA

sábado, 19 de outubro de 2019

O FILHO


Brites respira fundo....

Não sabe o que pensar.... um filho... 

Não está contente? Claro que sim, mas a responsabilidade de ter alguém totalmente dependente dele.... assusta-o.

O Bernardes diz-lhe que é normal, vai cometer erros, mas tem que pensar positivo.

Afinal, já pensou como vai fácil saber se o miúdo está a mentir ou não? É o que faz na vida, apanhar pessoas mentirosas, acrescenta e o Brites ri.

A Carla está eufórica, o rosto está mais redondo e queixa-se de que tem que comprar roupas urgentemente.

A casa está cheia de catálogos de mobiliário, tintas e as duas avós babadas falam sobre lençóis bordados, mantas de algodão.

" Quero tudo muito prático... não quero perder tempo a lavar lençóis bordados, mas elas ficaram muito ofendidas." conta a Carla ao Brites.

" Faz isso em dias de festa e quando souberes que elas vêm cá." aconselha o Brites, pouco interessado.

" Achas que resulta? " pergunta a mulher.

" Encara isto como uma investigação. Tens que considerar todos os ângulos e é aí que encontras a resposta." explica o Brites.

" O nosso filho não é UMA INVESTIGAÇÃO!" replica a Carla, ofendida.

Brites decide não dizer mais nada, o Bernardes avisou-o de que as mulheres grávidas ficam muito sensíveis.

No dia seguinte, até saí de casa mais cedo, a Carla está tão mal humorada...

No Gabinete, o Chefe da Divisão está reunido com o Bernardes.

O que se passa?

CONTINUA




sexta-feira, 18 de outubro de 2019

MATIAS - FIM


Acabam por jantar todos juntos.

A Rosário com a ajuda da Madalena prepara um jantar simples e este decorre num ambiente calmo.

A conversa não é tão descontraída como noutros jantares de família e o Matias tenta não se lembrar que há um lugar vazio.

A Isabel não come muito, ouve o Luís contar animado as aventuras dele e do primo com um sorriso triste, mas está fora do quarto.

A Rosário anuncia que ela e a Isabel vão no dia seguinte a um spa, precisam de uma massagem, de um corte de cabelo e maquilhagem mais modernas.

" Desde que não pintes o cabelo de azul!" interrompe o marido e o Matias ri-se ao imaginar as irmãs com o cabelo pintado de azul.

" Também posso ir? " pergunta a Madalena " Gostava de ter uma madeixa azul!"

" Mas só uma! E por tempo limitado!" pede o Pai e a cunhada chama-lhe antiquado.

Todos riem, a Isabel esboça um sorriso e o marido dá-lhe um novo abraço.

No fim da noite, quando regressa a casa com a Rosário, o Matias tem a certeza de que a família vai recuperar.

Nada será como antes, todos sabem disso, a Rosa Maria estará sempre presente e a Isabel vestirá sempre de preto.

Mas vão encontrar uma forma de continuarem a ser a família unida que sempre foram.


FIM




quinta-feira, 17 de outubro de 2019

MATIAS - PARTE V


O António sobe as escadas e entra no quarto dos cunhados.

" Vai dar cabo dela!" afirma o Carlos " Porque não o impediste, Rosário? "

" Quando decide, está decidido. Podes argumentar, gritar, explicar o teu ponto de vista as vezes que quiseres, mas se ele acha que é assim, não o podes contrariar!" diz a Rosário.

" É assim que as coisas funcionam lá em casa? " pergunta o Matias, mas a irmã abana a cabeça.

" Temos que chegar a um acordo. O melhor para todos e tem funcionado... Ás vezes, não é realmente o melhor, mas a vida é assim." explica a Rosário.

O cunhado suspira e a filha dá-lhe um abraço.

No andar de cima, está tudo em silêncio e todos pensam no que o António estará a dizer à Isabel.

De repente, ouvem um grito, a porta abre-se e o António chama apressado:

" Oh, Rosário, vem cá..." e a mulher quase tropeça ao subir as escadas.

A Isabel está sentada na cama, a chorar e a repetir:

" Ela morreu, ela morreu!" e a irmã abraça-a, repreendendo o marido com o olhar.

" Sim, a Rosa Maria morreu... eu sei.." sussurra e ficam assim abraçadas até a Isabel esgotar as lágrimas.

" Há quanto tempo estou aqui fechada? " pergunta a Isabel finalmente.

" Quase uma semana!" responde a Rosário e levanta-se. Abre os cortinados e a irmã fecha os olhos.

" Não queres tomar um duche, mudar de roupa? " e a Rosário sorri.

Só então é que a Isabel percebe que esteve completamente desligada do Mundo.

A Rosário chama a Madalena, precisa de ajuda para arrumar o quarto e ao ver a filha, a Isabel chora novamente.

Uma hora mais tarde, descem as três até à cozinha, onde os homens continuam a conversar e unem-se todos num grande abraço.

CONTINUA

quarta-feira, 16 de outubro de 2019

MATIAS - PARTE IV


" Então? " pergunta a Rosário quando o Matias desce.

Ela e a Madalena estão sentadas na cozinha, a beber chá. 

Os miúdos estão no jardim e os dois cunhados estão fechados no escritório.

Matias aceita a chávena de chá que a Madalena lhe oferece. 

A sobrinha senta-se novamente e mordisca um croissant.

Parece estar mais calma e segundo lhe disse a Rosário naquela manhã, está a fazer terapia.

" Acho que é tio de uma das amigas. Elas têm sido incansáveis, vêm-na buscar de manhã, almoça na casa delas e só não fica lá a dormir, porque a Madalena acha que deve ajudar o Pai."

" Fico contente.. Eu disse-lhe para procurar ajuda, isto é um fardo muito pesado para uma miúda de dezasseis anos." respondeu o irmão.

" Não disse absolutamente nada..." suspira o Matias " Nem sei se ela se apercebeu da minha presença no quarto."

" O médico diz que se ela continuar assim, terá que a internar, mas o Pai quer evitar isso.." conta a Madalena.

" Acho que ficar isolada da família será pior." concorda o Matias, mas a Rosário tem outra opinião.

" Toda a gente ficou chocada com o que aconteceu, mas ela tem que reagir. Porque não perguntas ao teu médico o que acha de um colega dele falar com a tua Mãe? " sugere.

" Não, acho que ela precisa de um tratamento de choque." diz o António que entra nesse momento com o Carlos " Ela ainda não me ouviu!"

" Achas mesmo que ela te vai ouvir? " ironiza a Rosário e todos percebem que ela considera a declaração do marido ridícula.

" Ela precisa de levar um abanão... Vocês falam baixinho; ela precisa de ouvir um berro!" repete o António, confiante.

CONTINUA

terça-feira, 15 de outubro de 2019

MATIAS - PARTE III


O médico concorda que ele vá passar uns dias a casa...

Não para casa dele, não quer que fique sozinho, mas para casa de uma das irmãs. Terá que voltar para novos exames, mas está estável e dadas as circunstâncias....

Matias telefona à outra irmã e a Rosário e o marido aparecem no dia seguinte à hora de almoço para o levarem para casa.

" Acho que não devo ir para casa da Júlia!" explica o Matias e a irmã concorda.

" Ela não está nada bem, não se quer levantar, comer... O Mário não sabe o que fazer..." diz a Rosário.

" Nem quis falar com o médico quando lá foi a casa." conta o cunhado " Está deitada na cama de olhos muito abertos..."

" Não admira... Ninguém entende o porquê... Foi um crime macabro!" suspira o Mateus.

" Quem não entende nada é o Luís!" comenta a Rosário, referindo-se ao irmão mais novo da Rosa Maria, de dez anos " Também está lá em casa; o Rodrigo faz-lhe companhia... mas encontrei-o a chorar na cama uma noite destas e não soube responder às perguntas dele!" lamenta-se.

" Quem sabe??? O que é que lhe passou pela cabeça para a matar daquela maneira? " repete o Matias.

" Pois e o pior de tudo, é que ele é capaz de alegar que não estava no seu juízo perfeito... " observa a irmã.

Matias fica calado. É uma hora negra para a família; perderam o brilho, a alegria.

Mesmo a casa da Rosário está sossegada. De vez em quando, os dois rapazes ainda interrompem o silêncio, mas os adultos continuam calados.

Têm muito que dizer, Matias sente, mas ainda não têm coragem de discutir o assunto.

E, a Isabel continua deitada, num quarto completamente fechado e o irmão não tem a certeza de que ela sabe que ele está ali.

CONTINUA

segunda-feira, 14 de outubro de 2019

MATIAS - PARTE II


A Madalena, a irmã da Rosa Maria visita-o no dia seguinte.

O preto não lhe fica bem, parece que emagreceu, o rosto está pálido e vê-se que não tem dormido em condições.

" Tenho medo de sair de casa." confessa " Sei que prenderam o maldito que matou a Rosa, mas mesmo assim...."

" Compreendo. Nunca se sabe o que vai acontecer..." concorda o tio " mas, um dia, vais ter que enfrentar esse medo."

" Eu sei; toda a gente diz isso, mas isto é um absurdo!" diz a sobrinha " Ainda não consegui entender."

" Eu próprio não entendo!" repete o tio " Tens falado com alguém? Um psicólogo? O médico de família?"

" A polícia indicou alguém, mas a Mãe nem quer ouvir nisso e o Pai não a quer aborrecer." conta a Madalena.

Matias suspira e abraça novamente a sobrinha.

" Se quiseres, podes falar comigo, mas acho que é melhor procurares um profissional na área. Vai falar com o médico de família, ele dá-te o nome de alguém em quem confia."

" Acha que o devo fazer? " insiste a sobrinha e Matias sorri-lhe.

" A tua Mãe vai precisar muito de ti e tu precisas de ser forte. Mas alguém tem que cuidar de ti, de te ajudar a encontrar essa força para continuares a viver." explica o tio.

A Madalena desata a chorar e é a Maria Rosa, que está a passar, quem lhe dá um abraço.

Não diz nada, oferece-lhe um lenço e com um sorriso triste, afasta-se.

" Sabes que foi esta senhora quem descobriu tudo? "conta o tio, mas a sobrinha está tão triste que ele não diz mais nada.

Pouco depois, a Madalena vai-se embora e o Matias chama a enfermeira.

Precisa de tomar alguma coisa para descansar.


CONTINUA