terça-feira, 1 de outubro de 2019

SPEED DATING


Et voilá!

Agora deixaste de te rir... 

Quem pensas que és? Lá por seres médica e eu auxiliar de saúde... não sou digno da tua atenção?

Bastou dizer o que fazia profissionalmente para tu não me dares um minuto da tua atenção...

Foste educada, tenho que admitir isso, mas muito distante e notou-se que estavas ansiosa que os quatro minutos terminassem.

Lido com muita gente, sabes, aprendi a ler as expressões e soube naquele instante que estavas a precisar de uma lição.

Vigiei-te durante uns dias, fingi que ia visitar alguém só para entrar no parque de estacionamento e descobrir o lugar perfeito para me esconder.

Depois, escolhi o dia... sabia que aquela hora os seguranças estavam a mudar de turno e quando abriste a porta de trás para atirar os dossiers e a carteira, saí do esconderijo e corri.

Quando deste por mim, já não podias fazer nada e apontei-te um bisturi.

Mandei-te seguir até àquela praia deserta, paraste o carro e ofereceste-me dinheiro.

Não, não quero o teu dinheiro e agarrei-te pelo pescoço.

Debateste-te, deste-me um soco e conseguiste abrir a porta do teu lado.

Mas tropeçaste no cinto, ficaste no meio do chão, a chorar e eu puxei-te os cabelos.

Disse-te ao ouvido para teres calma, mas tu voltaste a gritar, a praia está deserta, idiota.

Continuaste a gritar, tapei-te a boca, mordeste-me e foi então que vi o lenço.


CONTINUA

2 comentários:

Cidália Ferreira disse...

UI ui esta promete!
Beijos. Boa tarde!

saudade disse...

Uma boa história....
Beijo