quarta-feira, 12 de dezembro de 2018

BRITES - O FIM


" As salas estão limpas. A equipa forense não encontrou nada; por isso, só temos a palavra deste maluco de que serviam de armazém." comenta o Gonçalves.

" O apartamento só confirma que o Matos e a Elvira viviam juntos. Há várias queixas dos vizinhos: as discussões eram frequentes e muito intensas, mas também dizem que, às vezes ela ficava em casa da Mãe." conta o Brites. 

" Por isso, quem matou a Elvira? " pergunta o Loureiro.

" Segundo sabemos, a Elvira era muito controladora, certo? Apercebeu-se do esquema do Matos, confronta-o e no calor da discussão, ele bate-lhe e ela desequilibra-se e pumba." especula o Sargento Lucas.

" É uma hipótese plausível, é certo, mas gostava de ter mais provas." diz o Bernardes " Creio que só o Matos poderá responder a todas as questões."

O Matos é interceptado na fronteira e recambiado para a cidade.

Bernardes e Lucas interrogam-nos e ele confirma que sim, matou a Elvira, ela ameaçou denunciá-lo à Administração do Prédio a não ser que ele a deixasse entrar no esquema.

" Dividir os lucros com o Cordeiro era necessário..." explicou Matos " mas com ela era diferente."

Para a impedir, torceu-lhe o braço, ela desequilibrou-se e bateu com a cabeça na esquina das escadas que levam ao telhado.

Limpou tudo (Lucas fez uma nota mentalmente para pedir à equipa forense para analisar as escadas) e, com a ajuda do Cordeiro, entregou as caixas ao motorista do gangue.

Que gangue? Matos abana a cabeça e recusa-se a dizer nomes.

Bernardes não insiste; afinal, resolveu o homicídio... 

A Brigada Anti-Gangues pode agora tomar conta do caso.

Brites resolve falar com a Amélia; quer saber se há alguma possibilidade de reatarem.

Mas a Amélia acha que é cedo demais; está muito traumatizada com tudo que aconteceu e teme pelo futuro, pois vai haver uma investigação interna.

Brites aceita, mas não fica satisfeito.

É que estava mesmo a gostar dela....


FIM

terça-feira, 11 de dezembro de 2018

BRITES - PARTE VI


Elvira Fernandes, funcionária no Departamento de Manutenção e companheira do Técnico Matos.

A equipa deduz rapidamente que ou é crime passional ou está relacionado com o que se passa com as salas do décimo andar que a equipa forense está a analisar.

Nem Bernandes nem Lucas esperam grande coisa; devem ter limpo muito bem, mas pode ter escapado qualquer coisa que lhe pode ser útil.

Gonçalves e Loureiro procuram o Técnico Matos, não só por causa da companheira mas também para esclarecer a manutenção das salas.

O porteiro do prédio diz que já não o vê há mais de dois dias, talvez tenha ido visitar a Mãe, pois levou um saco e uma grande mala.

Loureiro pede de imediato uma equipa forense para analisar o apartamento e avisa o Brites que o Cordeiro pode estar igualmente em fuga.

Mas o Cordeiro está em casa, a gozar a folga e fica muito admirado quando Brites lhe explica a razão da visita.

Na esquadra, começa por negar tudo, mas quando lhe mostram as escalas e dizem que estão a analisar as salas do décimo andar, acaba por contar toda a história.

Sim, ajudava o Matos a descarregar umas caixas e não, não sabia o que continham, pois o Matos desviava sempre a conversa.

Ficam uns dois, três dias no décimo andar e alguém as vinha buscar pontualmente à meia noite, hora em que entrava o novo turno de seguranças.

Nessas noites, ele tinha que se assegurar que a equipa de segurança estava ocupada a transmitir as informações relativas ao turno anterior e desligar as câmaras do andar. Só podiam estar desligadas entre oito a dez minutos antes de soar o alarme na sala de segurança.

Quanto à Elvira? Ah, sim, o Matos queixava-se que ela era muito " controladora " e tivera um grande discussão com ela há cerca de uma semana, duas.

Morta? Como? Quem? Ele não foi de certeza absoluta; ele só queria um dinheirinho extra, mais nada!

CONTINUA

segunda-feira, 10 de dezembro de 2018

BRITES - PARTE V


" Não, não tenho a certeza de nada; posso cometer um erro e acusar alguém inocente!" exclama Amélia.

" Ok, compreendo, mas dá só uma dica." explica o detective Brites " Exploramos o assunto e ninguém fica a saber que disseste alguma coisa, mas é bom que o digas."

Amélia olha-o atentamente; está completamente desorientada, não sabe verdadeiramente o que fazer.

" Se te disser para verificares as escalas, é suficiente?" pergunta e Brites acena que sim.

A rapariga levanta-se, um pouco mais aliviada e sorri-lhe. 

Brites percebe que será complicado ganhar-lhe novamente a confiança, mas quando tudo acabar, talvez tente novamente a sorte.

A Amélia é uma mulher interessante e Brites quer conhece-la melhor.

Suspira quando conta as suspeitas da Amélia ao Inspector que requisita de imediato as escalas de trabalho do Departamento de Manutenção.

Depressa verificam que sempre que os Técnicos Matos e Cordeiro estão de serviço à noite, há problemas a resolver no décimo andar.

Loureiro questiona o chefe de segurança que confirma ser apenas necessário notificarem a equipa que estão naquele andar.

" Que empresas funcionam lá? " pergunta.

" Neste momento, as salas 1010 e 1035 estão vazias. A empresa mudou-se e ainda não estão alugadas. Sempre que as salas ficam vazias, a Manutenção limpa, pinta, muda as lâmpadas, etc, o que for preciso." explica o chefe de segurança.

" O que significa que podem ter feito daquelas salas um armazém de droga ou artigos de contrafacção... e só têm que estar atentos com o anúncio de que foram alugadas. " observa Loureiro.

" A equipa de segurança não deve achar estranho irem lá à noite. Podem pensar que estão a pintar ou seja lá o que for." concluí Gonçalves.

Entretanto, a vítima é identificada.

CONTINUA

sexta-feira, 7 de dezembro de 2018

BRITES - PARTE IV


Brites decide falar sobre as suas suspeitas ao Inspector Bernardes. Se não o fizer, poderá comprometer a investigação e há muito que Brites aprendeu a separar o pessoal do profissional.

O Inspector escuta-o atentamente e quando o detective termina, diz:

" Compreendo as suas dúvidas. Primeiro temos que saber se essa Amélia Rodrigues é efectivamente a Amélia que conhece. Se isso se confirmar, o Brites terá que conversar com ela discretamente para descobrir a razão dela ficar tão agitada quando soube que trabalha na Polícia Judiciária."

" São coincidências a mais."  confessa Brites.

" Pois são. O Gonçalves que trate disso, o Brites só fala com ela quando se confirmar tudo!" instruí o Bernardes.

Duas horas depois, Brites está sentada num café sossegado, discreto, onde é bem conhecido.

Pede e autorizam de imediato que utilize a sala que está reservada para almoços para conversar à vontade.

Amélia está mais calma, mas Brites sente que ela não está à vontade.

" Sei que isto é confuso, mas estamos a investigar um caso que envolve o Departamento onde trabalhas. Temos que falar com toda a gente, mas como eu te conheço, queria explicar-te a situação e perguntar-te..."

" Eu não sei de nada!" interrompe Amélia.

" Nem eu estou a dizer isso. Só quero conversar contigo e é muito importante que me digas a verdade, Amélia. Tudo se complicará se esconderes alguma coisa." aconselha Brites.

" Não te posso dizer grande coisa. Sei que descobriram um corpo no telhado e que ainda não sabem de quem é. Há coisas estranhas a acontecer naquele Departamento, mas não sei se está relacionado com o caso. " comenta Amélia.

" Como, por exemplo?" insiste o detective.

CONTINUA


quinta-feira, 6 de dezembro de 2018

BRITES - PARTE III


Brites sorri e diz:

" Estou aqui em serviço." e Amélia repete " Em serviço? Serviço de quê?"

" Eu disse-te que trabalhava na Polícia Judiciária." explica o detective e nota que Amélia fica muito agitada, como se tivesse alguma coisa a esconder.

" Pensei que estavas a brincar. Pensei que estavas a brincar!" e quando as portas do elevador abrem, saí apressada.

Brites fica confuso, mas na sua mente já está a levantar uma questão que faz todo o sentido.

Estará Amélia implicada com o caso? 

Mas Loureiro interrompe-o, dizendo que há duas chaves - uma guardada na sala de segurança e que está agora na posse deles e outra no Departamento de Manutenção.

Ambas as salas estão protegidas por um código de acesso, o que significa que....

" Pode ter sido um serviço interno!" completa o Brites.

" Falei com o Chefe do Departamento e ele mostrou-me onde guarda a chave. Está muito admirado, pois só ele tem acesso ao local e não a dá a ninguém." diz Loureiro.

" Mas pode tê-la deixado naquela reentrância enquanto verificava qualquer coisa e alguém pode ter feito um molde." sugere o detective.

" Pois. Vou verificar a equipa de segurança, a empresa, etc. E já pedi a listagem com os nomes do pessoal da Manutenção; o Gonçalves tem que os investigar." informa o Loureiro.

No percurso até à esquadra, Brites não deixa de pensar na atitude da Amélia.

Ter reagido daquela maneira... é muito suspeito.

Ainda por cima, há uma Amélia Rodrigues na lista dos funcionários que trabalham no Departamento de Manutenção.

Será ela?

CONTINUA



quarta-feira, 5 de dezembro de 2018

BRITES - PARTE II


Quando chega à esquadra, o Lucas e o Loureiro estão a falar do estranho caso da pessoa que apareceu morta no telhado da Torre Vasques.

Como foi aí que deixou a Amélia, o Detective Brites presta atenção.

" Como é que ninguém notou a falta dela? Segundo o médico-legista, deve lá estar há mais de uma semana." diz o Sargento.

" Logo que se saiba quem é, temos que interrogar toda a gente naquela Torre e não vai ser fácil."  observa Loureiro " Eu vou até lá, tentar perceber o sistema de segurança, como e quem pode aceder ao telhado, etc."

" Eu vou falar com o médico-legista e oh, Brites, vai com o Loureiro e analisa novamente a cena do crime." pede o Lucas.

No átrio da Torre, separam-se. Loureiro vai falar com os seguranças e Brites sobe até ao telhado.

Gabriela, a técnica forense ainda lá está e sorri-lhe.

" Olha quem está aqui! Atribuíram-te o caso? OK....Ela foi encontrada aqui... não, não tinha a roupa rasgada, mas só o médico o pode confirmar. Não há muitas pegadas; dizem que só a equipa de manutenção vem cá." concluí.

Brites olha em volta, mas não vê nada de suspeito.  Há ali uma reentrância, uma espécie de alpendre, mas a Gabriela diz que não há qualquer impressão digital.

" Estranho, não é? Ainda não sabem quem é? " pergunta a técnica e Brites confessa a sua ignorância.

Gabriela despede-se e Brites fica mais uns minutos no telhado a certificar-se não sabe bem do quê.

O polícia que o acompanhou volta a fechar a porta, entrega-lhe a chave e descem.

O elevador abre no 4º Andar e quem é que entra? Amélia que fica boquiaberta a olhar para ele.

" Tu??? Por aqui? " 


CONTINUA


terça-feira, 4 de dezembro de 2018

BRITES


Brites está apaixonado, mas por quem não diz...

Apesar de todas as brincadeiras dos colegas, o Brites não abre a boca.

" Quem será? A jeitosa do 4º Andar? A Técnica forense? " especula o Sargento Lucas " Sempre que o vê, desfaz-se em sorrisos."

" É nessa altura que eu tenho pena de já estar casado!" comenta o Loureiro.

" Vocês já pensaram que a senhora em causa poderá não trabalhar cá? " avisa Gonçalves recentemente transferido de outra brigada, mas que conhecia o Brites do tempo da academia.

" Ao menos, diz-nos: gosta de ruivas, loiras ou morenas?" pergunta o Sargento, mas Gonçalves apenas se ri.

Brites sorri ao descer as escadas. 

Amélia está à espera dele para almoçarem juntos e o restaurante escolhido fica longe da esquadra para evitar encontros imediatos.

O detective está consciente de que será apenas uma questão de tempo até descobrirem tudo, mas, por enquanto vai gozando o momento.

Amélia trabalha num escritório perto do Parque e é aí onde fica o restaurante.

Trocam um beijo intenso e Amélia estende-lhe o menu.

" Não posso ficar muito tempo! Há um problema e já me pediram a ajuda!" diz.

" Um problema? Que tipo de problema?" questiona Brites.

" Oh, nada, alguém se enganou a registar a factura no programa e alterou os preços todos. Mas não falemos disso; vamos gozar o nosso almoço." responde Amélia e propõe comerem o creme de legumes e o peixe espada grelhado.

Despedem-se com relutância em frente ao escritório. 

O Brites pergunta como se chama a empresa e o que fazem, mas Amélia é evasiva.


CONTINUA