domingo, 20 de junho de 2021

AÍDA- FIM

 

É uma longa noite de insónia e tenho dificuldade em me concentrar no trabalho.

Continuo a ver o Bruno à minha frente bêbado e a dizer disparates e não sei verdadeiramente o que fazer.

Talvez conversar com o Bernardo, ouvir o que ele tem a dizer, mas não quero envolver o meu filho nesta história.

É possível que o Bruno ganhe juízo e o que aconteceu a noite passada não se repita.

Mas não sabes, diz sensatamente o Pai do Bernardo, telefonou-me, está um pouco preocupado com a proposta feita pela empresa ao Bernardo.

Ir seis meses para Cabo Verde? Será boa ideia? repete, não sei, o Bernardo diz que é uma promoção, quando regressar, pode ocupar outro lugar, ter outras funções mais importantes, explico.

Não sei, não estou convencido, responde o meu ex-marido, disse-lhe para analisar cuidadosamente a proposta, até a levar a um advogado.

Temos que o deixar decidir, é a vida dele, observo, ele está todo entusiasmado e suspiro.

O que é que se passa? pergunta e acabo por lhe contar o que se passou na noite anterior.

Terá ficado com ciúmes por causa da tua promoção? comenta, é a explicação mais lógica, mas não a posso aceitar.

Se estava a concorrer para o mesmo lugar, eu não sabia, friso, mas o meu ex-marido interrompe-me de imediato, nada de arrependimentos! Tinhas a experiência, as capacidades para preencher o lugar, trabalhaste duramente para o merecer, foi reconhecido. Se o Bruno não aceita isso e não consegue avançar para a próxima etapa, o problema é dele!

Reconheço que ele tem razão, nos últimos tempos, o Bruno estava descontente, desleixado, irritadiço até com os colegas de trabalho.

Acabamos por passar a noite juntos, na manhã seguinte, não sabemos bem como agir, mas eu convenço-me que não se volta a repetir.

Não sabes, e a Rita ri-se quando lhe confesso o que aconteceu naquela noite, ainda reatam.

Não, de forma alguma, protesto, ele está a viver com uma rapariga muito simpática, o Bernardo gosta muito dela.

A Rita não diz nada, mas leio troça no olhar dela e vejo que as outras me observam atentamente.

Vá lá, estamos aqui para falar do livro, ralho, vamos começar? mas elas insistem em falar na minha aventura, na minha possível reconciliação.

Ignoro-as, digo-lhe que estão completamente doidas, mas quando descubro que estou grávida uma semana mais tarde, fico verdadeiramente assustada.

O que é que eu vou fazer agora?


FIM


sábado, 19 de junho de 2021

AÍDA PARTE V

 

Há um pequeno debate, a Natália acha que devemos escolher outro livro já que a Glória leu este, diz, mas esta não concorda, que disparate! lembro-me da história em geral, há pormenores que me esqueci!

Está decidido, interrompe a Rita, lê-se o " Mataram o Sidónio" e o encontro é daqui a um mês na casa da Madalena, decide.

Estás doida? protesta a irmã, não devíamos fazer uma votação? Ou esperar que as pessoas se oferecessem?

A Teresa ri-se, até calha bem, só tenho que descer de elevador e todas nos rimos.

Jantamos, falamos nos respectivos companheiros, fico a saber que a Madalena e o Inspector Bernardes estão a viver juntos novamente.

A Matilde mudou-se para o apartamento dele, conta a irmã da Rita, e se bem que haja ainda pormenores a esclarecer, estamos a entender-nos bem.

Estão mais velhos, mais sensatos, goza a Rita e a irmã atira-lhe uma almofada à cabeça.

Isso pode ter influência, às vezes, certas situações revelam-nos o que não queremos fazer e levam-nos a procurar outro rumo, afirma a Natália e todos compreendemos que ela se refere ao período em que esteve nos Estados Unidos.

Nunca soubemos os detalhes, a Glória acha que só o Nicolau conhece a história toda e todas respeitamos a decisão da Natália.

Estou de bom humor quando regresso a casa e apanho um susto quando alguém me toca no braço.

É o Bruno, cheiro-lhe álcool no hálito e tem um olhar estranho.

Posso falar contigo? pergunta-me e eu suspiro, o que é que queres, Bruno? 

Onde é que andaste até estas horas da noite? e eu volto a suspirar, não estou com paciência de te aturar, volta para casa.

QUERO SABER ONDE É QUE ANDASTE? grita o Bruno e volta a agarrar-me o braço.

Alguém abre a porta, mas o que é que se passa aqui? Sabem que horas são? e ao aperceber-se da situação, a senhora precisa de ajuda? Quer que chame a policia? 

Não, obrigada, este senhor já se vai embora, respondo e vejo que o Bruno está a acalmar, a perceber o que está a fazer.

Balbucia uma desculpa, tropeça e desce as escadas.

Agradeço ao meu vizinho, entro em casa e fecho a porta devagarinho.

Perdi o sono, vou fazer um chá, preciso de pensar, não que haja alguma coisa a pensar.

CONTINUA

sexta-feira, 18 de junho de 2021

AÍDA PARTE IV

 

Rio-me e a Rita propõe uma data para a reunião.

Manda-se um mail às outras, a Natália envia uma lista de livros e o sítio escolhido para a primeira reunião é a casa da Rita.

A Glória leva uma lasanha, eu faço um salada e a Natália prepara uma mousse de chocolate para a sobremesa.

A Teresa e a Madalena levam uma quiche vegetariana e a Rita oferece as bebidas, tem também aperitivos que todas apreciamos.

O Gonçalo levou a Francisca para casa do António, esclarece e a Teresa ri-se, vou encontrar a casa de pantanas, afirma, a Sofia acha que é um ás na decoração e muda tudo de sítio. O António deixa-a fazer tudo.

E o Gonçalo? pergunto e a Teresa abana a cabeça, continua a ser um paz de alma, está tudo bem para ele. Aparentemente, acrescenta, pois quando abusam da paciência dele... não é fácil lidar com ele.

São fases, observa a Madalena, e é melhor passarem por elas. O Gustavo e a Matilde tiveram a sua fase rebelde, tivemos alguns problemas principalmente com o Gustavo, mas agora são dois adultos responsáveis. A Clarinha é ainda um ponto de interrogação.

Continua a ter acessos de fúria? questiona a Glória e a Madalena suspira, de vez em quando, o Gustavo é a pessoa que lida melhor com ela, mas acho que estamos a ultrapassar a situação e a chegar a algum lado.

Ela recebe tanto amor, comenta a Natália, é difícil compreender porque ela age assim. Teve muita sorte com os pais adoptivos, ouvi falar de casos... até fiquei arrepiada!

Ela ouviu o que não devia ouvir, pelo menos, da boca daquela pessoa, interrompe a Rita, é um assunto que se explica em família.

A Natália fica um pouco embaraçada e eu aproveito para falar dos livros.

Viram a lista que a Natália enviou? Eu voto pelo Moita Flores, os livros estão bem escritos, as histórias bem estruturadas, sugiro.

Confesso que nunca li nada dele, diz a Teresa, não gosto muito do género policial.

Há policiais e policiais, intervém a Glória,  li o " Mataram o Sidónio" e achei muito interessante. Viu-se que ele fez pesquisa sobre a época, enquadrou bem a história.

Podemos começar por esse? Não te importas de o ler outra vez ou escolhemos outro? apresso-me a dizer.

CONTINUA

quinta-feira, 17 de junho de 2021

AIDA PARTE III

 

Eu não digo nada, responde a Glória, a relação entre eles melhorou, mas o Francisco não conta tudo.

Acho que ninguém conta tudo, interrompe a Natália, mas isto é um assunto importante e se ele está em contacto com o irmão, deve dizer.

Sei que o Amadeu vai de imediato à procura dele, mas tenho medo que seja um desperdício de tempo.

Nem eu nem a Natália respondemos, desviamos a conversa para assuntos mais leves e é a Natália quem sugere organizar um novo clube de leitura.

Só para mulheres, explica a rir-se, uma vez por mês para nos divertirmos. Jantar, discussão sobre um livro, sem companheiros, sem filhos, o que é que acham?

É capaz de ser uma ideia interessante, concordo, mas como é que vai funcionar?

Primeiro que tudo, temos que falar com a Rita, a Teresa e a Madalena, exclama a Glória, e depois acertamos os pormenores.

Fica decidido que eu falo com a Rita e a Glória com a Teresa e a Madalena, a Natália encarrega-se de fazer uma lista de livros.

Nada de comédias ou fábulas, pede a Glória, isso é o que eu leio às minhas filhas!

A Natália ri-se, queres ler livros técnicos? troça gentilmente e a Glória atira-lhe uma almofada à cabeça.

Despedem-se, eu ainda fico acordada a pensar em tudo o que foi dito e dou graças a Deus por o meu filho ser um homem equilibrado.

Nem quero pensar no que faria se o Bernardo desaparecesse sem rasto; como o Amadeu deve estar a sofrer.

Telefono à Rita no dia seguinte, ela fica surpreendida, convida-me para almoçar em casa dela.

É um almoço muito simples, a baby sitter só vem às duas horas, a Francisca esteve um pouco agitada esta noite, explica.

Sentamos-nos na bancada da cozinha, aprecio a quiche de frango, com os cumprimentos da minha irmã, diz a Rita e eu explico-lhe a ideia da Natália.

É uma boa ideia, afirma a Rita, terei que falar com o Gonçalo, claro está, mas se eles homens, tem uma noite livre, nós também temos que ter!

CONTINUA

quarta-feira, 16 de junho de 2021

AÍDA PARTE II

 

Gosto da disposição da casa e fico encantada com as alterações que a Catarina fez na cozinha e na casa de banho.

No que foi o quarto do Tomás, posso fazer um pequeno estúdio, preciso de um local para trabalhar quando estiver em casa e o Bernardo pode dormir lá.

O senhorio aceita a minha proposta e faço a mudança durante as minhas férias.

O Bruno oferece-se para ajudar, fico hesitante, mas acabo por recusar. 

Melhor terminar tudo, manter apenas o contacto profissional, porque, tens que admitir, diz o meu filho, ele não vai gostar nada de trabalhar para ti.

Não é bem assim, Bernardo, tenho uma certa liberdade de movimentos, posso organizar as equipas e os eventos, mas recebo instruções da Chefia.

O meu filho encolhe os ombros, mas eu sei que é capaz de ter razão, o Bruno é um pouco ciumento, o Clube que formou na livraria dele não teve tanto sucesso.

Será que tem ciúmes da minha promoção? mas eu afasto a ideia da mente, seria uma idiotice e depois, trabalhei muito para a conseguir.

Por isso, o Bernardo e o Major apresentam-se ao serviço, como chama o meu filho e conseguimos arrumar tudo naquele fim de semana.

Ainda há uns detalhes a concluir, conto à Glória e a Natália que aparecem de surpresa numa sexta à noite, com uma pizza e um bolo, para uma noite de mulheres, explicam.

E o Nicolau e o Amadeu? pergunto e a Natália ri-se, foram jantar fora. Ainda desafiaram o António, mas a Teresa forneceu a comida para um cocktail e tem que estar presente. Por isso, o António teve que ficar com os miúdos e ofereceu-se para ficar com os da Glória, explica.

Mostro a casa, a Glória gosta das cores que escolhi, a Natália dos móveis e instalamos-nos no sofá para conversar.

Falamos de trabalho, dos projectos editoriais do Nicolau e do novo estudante de Mestrado que está a ajudar o Major com uns Mapas do Século XII.

Então, o Major está nas sete quintas, é o que adora fazer, observo e a Glória sorri.

Está ocupado e não pensa tanto no que aconteceu com o Frederico, conta a companheira, ele continua sem dizer grande coisa sobre o assunto, mas ficou profundamente magoado com a atitude dele.

Não há pistas? Ele não contactou o irmão? interrompo e a Glória abana a cabeça, não, e não tenho a certeza de que o Francisco diria alguma coisa.

Não me digas que ele não avisava o Pai, e a Natália está indignada e a Glória suspira.

CONTINUA


terça-feira, 15 de junho de 2021

AÍDA

 

Foi uma pena o Clube de Leitura ter terminado, mas a livraria quis renovar, apostar noutro tipo de eventos.

Foi um bom trabalho, asseguram-me, um escritor tornou-se visível no nosso Clube de Leitura e a Aída é responsável por isso.

Sorrio, mas tenho pena que os encontros às quartas-feiras tenham terminado, continuamos a encontrar-nos em almoços, jantares, mas aquela hora podia ser muito divertida com a Rita a gozar com o Major e o Nicolau a impor a ordem.

O Bernardo cresceu, foi o primeiro a sair, tinha que explorar novos horizontes, o António e o Major têm famílias jovens que exigem toda a atenção, o Nicolau as suas palestras e as feiras e até a Rita nos surpreendeu ao ter uma filha.

Eu fui promovida, sou responsável pela agenda cultural de toda a rede de livrarias, o Bernardo ficou todo satisfeito, lutaste por isso, Mãe, aproveita, diz.

Contudo, o que ele não previu, ninguém previu foi que a minha relação com o Bruno terminou.

Acho que ele teve ciúmes da minha promoção, começou a ser agressivo, logo ele que foi sempre um amor.

Um dia chegou a casa bêbedo, chamei-lhe a atenção e ele respondeu agressivamente, partindo tudo o que encontrava no caminho.

Mas não te magoou, pois não? pergunta-me a Glória, preocupada quando contei, eu abano a cabeça, não, não chegou a esse ponto, mas soube então que estava na altura de nos separarmos.

E como é que ele reagiu? intervém a Rita, aceitou muito bem, acabou por confessar que tinha encontrado alguém, não sabia bem como me havia de dizer, explico.

Foi preciso ficar bêbado para to dizer? ironiza a Glória e a Rita concorda.

Volto a sorrir, está a arrumar as coisas dele, digo, vai ficar com uns amigos por uns tempos, vamos ter que vender a casa, fazer partilha do dinheiro.

Essa parte é que é aborrecida, observa a Rita, podes contar connosco para o que for preciso.

Mas o que vais fazer? quer saber a Glória, vais comprar uma outra casa?

Sinceramente, ainda não pensei nisso, esclareço, talvez alugue.

Ah, a nora do Amadeu vai viver para uma outra cidade, vai entregar a casa ao senhorio, comenta a Glória, é num bairro simpático, estás perto de tudo, queres que lhe telefone e vais lá ver?

CONTINUA


segunda-feira, 14 de junho de 2021

PEDRO E OS AMIGOS - FIM

 

Não é fácil convencer o Miguel a deitar-se, mas lá adormece e eu tomo um duche rápido antes de me deitar.

A Carolina enviou-me um SMS, quer saber as novidades, mas a única coisa que lhe posso dizer é que me diverti.

A Margarida foi uma companhia agradável, mas ela tem uma vida própria e fiquei com a impressão de que não está à procura de uma relação.

Eu acho que é cedo, a minha relação com a Laura é complicada e terei sempre que a gerir, ela será sempre a Mãe do meu filho.

Temos que estar preparados para eventuais escândalos por parte da Laura e nem todos as mulheres podem viver com isso.

Por isso, não é uma surpresa quando encontro a Margarida uns meses mais tarde num jantar em casa do Rogério e da Marta acompanhada por um " amigo ".

Sorrio quando ela mo apresenta, conversamos os três durante uns minutos e até acabo por gostar do senhor.

Entretanto, o Rogério apresenta-me a uma amiga, é instrutora de yoga, segreda-me, mas embora a rapariga seja simpática e culta, não me desperta qualquer interesse,

Sei que todos estão desapontados, as minhas irmãs suspiram, querem que eu seja feliz, mas para já, estou bem como estou.

Até conhecer a Guiomar... mas isto acabará por não ser uma boa história.

FIM