sexta-feira, 31 de julho de 2020

O CURSO - PARTE IV


A Laura regressa à quinta na segunda-feira e o António telefona aos Pais, explica-lhes a ideia do Pedro e pede-lhes para conversarem com a irmã.

" Achas que vai resultar?" a Teresa tem algumas dúvidas, mas a Laura sempre respeitou as opiniões dos Pais e o António não vê motivo para ela as descartar.

" Não sei, veremos!" suspira o António e a Teresa hesita antes de falar novamente.

" Será que o Pedro lhe falou da nova namorada? " e o António fica de boca aberta.

" O quê? O Pedro conheceu alguém?" e a Teresa acena que sim, pelos vistos, já anda com ela há uns meses e parece estar muito feliz.

" Espero que isso não seja um novo problema com a Laura!" diz o irmão.

O Gonçalo também já sabe e explica à Rita de que não concorda com a decisão do cunhado de só falar no assunto quando a questão da mudança da Laura para a cidade estar resolvida.

" A Laura pode servir-se disso para não trazer o Miguel. Que seria uma grande estupidez, porque isto ia acontecer um dia!" responde a Rita " E, tens que concordar; apesar de tudo, a tua irmã continua a ser muito frágil!"

" Nem todas podem ser como tu, minha querida!" comenta o Gonçalo e arrepende-se de imediato do que disse, pois a Rita fica muito séria e questiona:

" O que queres dizer com isso?" e o Gonçalo ergue as mãos e esclarece:

" Forte e determinada, querida! É isso que falta à minha irmã, que é uma pessoa excelente mas tem algumas falhas!"

A Rita olha-o nos olhos, vê que ele está a ser sincero e sorri.

" Ok, estás perdoado! Mas lembra-te de que somos todos diferentes, eu própria tenho as minhas dúvidas, mas enfrento-as e a tua irmã tem medo. Não vamos discutir por causa de um problema que a tua irmã tem que encarar e aceitar."!

O Gonçalo desfaz-se em desculpas, até porque sabe que a Rita teve um casamento complicado.

Em casa da Carolina, o Edgar e o Matias esperam sinceramente que o Miguel fique a viver na cidade, porque podem jogar futebol de quatro.

" Futebol de Quatro? Isso é um novo desporto??? Mas vocês são só 3!" observa o Pai.

" Também vamos ensinar a Sofia!" esclarece o Edgar " É uma equipa de primos!" e todos riem.


CONTINUA

quinta-feira, 30 de julho de 2020

O CURSO - PARTE III


O Miguel fica excitado quando vê os primos e o Edgar e o Matias levam-no de imediato para o quarto.

" Vai ficar todo sujo..." reclama a Laura, mas o Pedro diz que não tem qualquer importância, que o deixe brincar e rir.

Eles têm assuntos importantes a discutir, afirma e pede para que lhe explique exactamente o que pretende.

O objectivo do curso é a promoção turística, responde a Laura e ela está a pensar em organizar uma espécie de alojamento local na quinta com participação nas actividades relacionadas com isso.

Dar de comer às galinhas, por exemplo ou apanhar uvas nas vindimas, esclarece.

Terá provavelmente que abrir uma empresa, com sede na cidade e estabelecer contactos com operadoras turísticas, de transporte.

Andará cá e lá para controlar a operação, continua e por isso, talvez seja melhor o Miguel ficar na quinta.

O Pedro não concorda, fica com ele sempre que ela estiver na quinta, claro que vai lá passar fins de semana prolongados e as férias, mas a base vai ser a cidade.

Contrata-se uma baby sitter para o ir buscar ao infantário e ficar com ele em casa até ela chegar do curso, mas o Miguel não pode continuar na quinta por muito que os avós gostem dele.

" Não acho que seja boa ideia; também tem amigos lá." protesta a Laura, mas o Pedro diz que não há mais a discutir.

" Não sei o que fazer!" desabafa a Laura com os irmãos mais tarde " O Pedro não compreende...."

" Porque não há nada para compreender, tolinha!" reclama o Gonçalo " É uma excelente ideia; o melhor de dois Mundos! A proposta do Pedro é muito boa; que queres mais?"

" O Gonçalo tem toda a razão; vais dar ao teu filho o melhor de dois Mundos!" confirma o António, mas vê pela cara da Laura que ela não está convencida.

CONTINUA

quarta-feira, 29 de julho de 2020

O CURSO - PARTE II


" Não sei o que posso dizer ao Pedro! Não vejo qual é o problema do Miguel ficar aqui um ano!" desabafa o António nessa noite.

" Também não compreendo qual é o medo da Laura! Ela não sabe a sorte que tem... o Pedro tem sido muito compreensivo, dá-lhe várias opções e ela... não sei, está sempre a colocar obstáculos!" diz a Teresa sensatamente e o António tem que concordar.

A Sofia estende os braços ao Pai, o António pega nela ao colo e suspira:

" Estou como o tolo no meio da ponte! Não sei o que fazer! Se calhar, eu e o Gonçalo vamos ter que conversar com ela sobre o assunto. Ok, princesa, o Pai vai brincar contigo e depois, cama!" e a Sofia ri-se.

Em casa da Carolina, a Filipa anuncia que a partir de agora, os serviços de baby-sitter têm que ser pagos.

" Estás parvinha? Cobrares aos teus tios por tomares conta da Sofia e do Miguel? Já não acho muito bem que a Teresa te pague quando estás na loja!" protesta a Mãe.

" Não é aos tios que quero cobrar; é ao casal novo do 2º Andar. Perguntaram-me se não me importava de ficar com o filho de vez em quando...." esclarece a Filipa.

" Esta casa já é um infantário; mais um não tem qualquer importância... Não se vai cobrar nada!" diz o Pai " Ah, não, Filipa, agora pareces a tua tia Laura quando as coisas não lhe correm bem..."

" Já sabes a última?" pergunta a Carolina ao marido quando os filhos saem da cozinha.

" Sim, o Pedro contou-me. Pensei que ela tinha ultrapassado isso... Qual é o problema do Miguel ficar aqui um ano??? " repete o Gustavo.

O Gonçalo envia um mail à irmã, a dizer que ela continua a ser uma idiota e pergunta se é preciso que ele lhe puxe as orelhas.

" Não achas que exageraste?" pergunta o António, mas o irmão abana a cabeça e diz que parece ser a única linguagem que a Laura entende.

Na quinta, a Laura faz as malas; vai passar o fim de semana na cidade.

O Pedro exigiu que o Miguel fosse também, pode ficar com os primos enquanto conversamos, afirma.

CONTINUA

terça-feira, 28 de julho de 2020

O CURSO


" O quê??? A Laura na loja da Teresa??? Não, não concordo!" diz o Gonçalo.

O reencontro foi intenso, escaldante e estão agora na cozinha arejada da Rita a comer qualquer coisa.

A Rita conta-lhe o que se passou naquele fim de semana e fala-lhe da possibilidade da Laura gerir a loja enquanto a Teresa está de licença de parto.

" A Teresa também não está muito convencida; não está nada definido. A Laura falou com o António e diz que há um curso que está interessada em fazer." responde a Rita.

" Sim, ela também me falou nisso e ao que parece, o Pedro quer que traga o Miguel com ela. Não quer que fique na quinta!" comenta o Gonçalo.

" Mas é lógico, não achas? Por muito saudável que a vida seja na quinta, o Miguel precisa de conhecer os primos, participar nas brincadeiras, conviver com outras pessoas." observa a Rita.

" Espero que isso não dê um nó na cabeça da Laura! Os meus Pais dizem que ela está bem, mas ainda continua a entrar em pânico quando perde o controlo da situação." conta o Gonçalo.

A Rita suspira e pensa que esse é o verdadeiro problema.

Entretanto, na quinta, a Laura relê novamente o mail do Pedro.

" Se o curso é de seis meses mais dois de estágio, o Miguel vem também. Podemos inscrevê-lo no infantário onde anda a Sofia, está com a prima, conhece outros meninos. Vai ser muito bom; terá que ficar um ano, mas depois combinamos o resto."

A Laura não gosta nada da ideia, o Miguel pode ficar com os avós e passar os fins de semana na cidade com os Pais.

Mas o Pedro não admite essa hipótese como afirma ao António quando se encontra com ele para almoçar naquela semana.

" Não percebo a hesitação da tua irmã! Terá que ficar cá perto de um ano; não vai deixar o Miguel com os avós quando os dois Pais estão na mesma cidade e podem revezar-se para tomar conta dele!"

O António não sabe o que dizer; o cunhado tem razão, faz todo o sentido o Miguel estar no mesmo local que os Pais.

CONTINUA

segunda-feira, 27 de julho de 2020

O FIM DE SEMANA - FIM


" A Laura??? " repete a Rita " Mas ela não está a trabalhar na quinta dos Pais? A desenvolver um projecto qualquer? O Gonçalo falou nisso, mas foi um pouco vago nos detalhes!"

" Sim, está e com sucesso. Só que há um curso que ela quer fazer, acho que são seis meses e tem que estar na cidade!" explica a Teresa " O António sabe os detalhes..."

" Foi ele quem sugeriu que ela te substituísse na loja?" questiona a Carolina " Não sei se será uma boa ideia... Acho que a Laura entra em pânico facilmente."

" Também tenho essa impressão! " diz a Rita " Teremos que convocar uma reunião e discutir o assunto cuidadosamente.  A melhor opção é contratar alguém com experiência a tempo inteiro e todas as semanas, ela entrega um relatório."

" O António falou na hipótese da Laura ficar lá durante a licença de parte, mas eu disse-lhe que tinha que pensar,  não insistiu. " esclarece a Teresa " A partir do segundo mês, posso ir lá uma ou duas manhãs por semana..."

" Sei que te organizas muito bem, mas não quero que corras riscos desnecessários! Concordo com a Rita; os estagiários ficam, a Filipa e o Miguel podem ir lá aos fins de semana e contratamos alguém para gerir a loja a tempo inteiro. " observa a Carolina " E um de nós vai lá todas as semanas para que ela preste contas!"

" Sim, a loja é o teu projecto, lutaste imenso para a teres e desculpa, mas não confiamos na Laura para que ela fique lá a tempo inteiro!" acrescenta a Rita.

As outras voltam à sala, a Carolina e a Rita desaparecem para tomar banho e mudar de roupa.

A Teresa oferece-se para as ajudar a fazer o jantar, mas a Aída diz que descanse.

" Queremos que o nosso sobrinho seja saudável!" 

" Ah, eu e o Major somos óptimos baby sitters!" comenta a Glória e a Natália conta que o Nicolau está todo excitado com a ideia do novo " neto adoptivo".

A Teresa ri-se, quem diria que um Clube de Leitura resultaria num circulo de amizade tão unido?

Por isso, deixa-se ficar sentada, a gozar a vista. 

As outras conversam e brincam na cozinha e ela decide que este é o momento para gozar a gravidez, a loja tal como a concebeu.

A Rita tem razão: a Laura pode destruir toda esta calma e ela quer proteger todos, em especial o Pedro.

Será que ele já sabe? Terá que lhe perguntar, mas não hoje, nem amanhã.

O tempo é só dela.


FIM

domingo, 26 de julho de 2020

O FIM DE SEMANA - PARTE V


Em casa, a Teresa anuncia que vai tomar um duche e depois descansar um pouco.

As outras ficam na piscina e a Aída também acaba por adormecer.

A Glória e a Natália discutem o próximo evento na Universidade enquanto que a Carolina e a Rita conversam sobre a loja.

A Teresa vai estar afastada uns meses por causa do bebé, têm que pensar em contratar uma funcionária a tempo inteiro.

" Os dois estagiários podem continuar lá; a Teresa diz que estão a fazer um óptimo trabalho, já conhecem os cantos da casa." comenta a Rita " Um de nós pode passar por lá para verificar as contas, o stock, etc."

" O António diz que trata dessa parte, os meus filhos ofereceram-se para estarem lá aos fins de semana e a Teresa está a planear estar online, via Zoom." conta a Carolina " Não acho que seja suficiente."

" Claro que não; temos que ter lá uma pessoa capaz de resolver os problemas diários... Atrasos com as entregas, com os envios, verificar stocks, reclamações..." continua a Rita.

" Que é que vocês estão a discutir com tanto interesse?" pergunta Teresa, sentando-se ao lado delas.

A Glória, a Natália e a Aída passam por elas, vão tomar um duche e mudar de roupa, dizem, depois, se for preciso, podem começar a fazer o jantar.

A Carolina sorri, ok, obrigada e elas afastam-se, deixando-as à vontade.

" Estamos a falar da loja, do que é preciso fazer para a manter a funcionar enquanto estás de licença de parto. Porque vais gozar a licença de parto!" explica a irmã.

" Temos que contratar alguém a tempo inteiro!" observa a Rita e a Teresa sorri.

" Sim, sim, eu e o António temos falado sobre isso. Há alguém que está interessada no lugar...só não sabemos como vocês, em especial o Pedro vão reagir." esclarece.

" Quem???" repetem a Carolina e a Rita curiosas.

A Teresa respira fundo e responde rapidamente:

" A Laura."

CONTINUA

Nota:
Para quem não se lembra, a Laura é irmã do António e do Gonçalo. Foi casada com o Pedro que é irmão da Teresa e da Carolina.

sábado, 25 de julho de 2020

O FIM DE SEMANA - PARTE IV


No dia seguinte, dão um passeio de barco e resolvem almoçar numa marisqueira perto do porto.

Depois, dão uma volta pela pequena cidade, a Teresa encontra uma loja de produtos biológicos, está no elemento dela, ri-se a Carolina, mas a irmã diz que tem que aproveitar todas as oportunidades de negócio.

Enquanto a Teresa conversa com a gerente da loja, as outras exploram a zona.

" É um sítio agradável para se passar um fim de semana..." comenta a Glória " Acho que vou sugerir ao Amadeu virmos até cá na minha semana de férias."

" Pode ficar lá em casa..." oferece a Carolina " Basta avisar-me com antecedência para preparar tudo."

" Isto vai apaixonar o Major... Local ideal para explorar, fazer mapas." ri-se a Rita.

" Ele está a fazer um óptimo trabalho na Universidade! Toda a gente gosta dele! " diz a Natália.

" E quando se tornou membro do Clube, era tão aborrecido...Nem me quero lembrar!" confessa a Rita " Depois, descobrimos o hobby dele e a amizade dele com o Bernardo é extraordinária!"

" Ele ajudou-o muito... Tinha sido suspenso da escola, estava confuso, furioso...Devo muito ao Major!" confessa a Aída.

" Temos que fazer um esforço para o conhecermos bem, mas vale a pena. Ele é um homem maravilhoso!" confirma a Glória " Pena os problemas com os filhos!"

" Mas eu pensava que isso estava a ser resolvido!" diz a Rita.

" A relação com o Frederico está a fortalecer-se. Não creio que se tornem amigos íntimos, mas, pelo menos, estão a conversar!" afirma a Glória.

" Que boa notícia!" repete a Aída.

A Teresa saí da loja, toda satisfeita, vai enviar um catálogo dos produtos, a gerente ficou muito interessada.

CONTINUA

sexta-feira, 24 de julho de 2020

O FIM DE SEMANA - PARTE III


Então, meninas, o que se passa? Perderam-se?” pergunta a Carolina quando chegam ao bar “ Sirvam-se, há vinho tinto e branco e para ti, Teresa, há Iced Tea! Então, Aída, toca a animar!”

“ A Aída tem uma decisão difícil para tomar!” observa a Teresa, aceitando o Iced Tea e sentando-se numa poltrona confortável.

“ Se calhar, a Aída já decidiu…” comenta a Glória “ Contudo, ainda há qualquer coisa que a está a incomodar, é isso?”

“ Sim, diga-nos o que está a incomodar Aída!” repete a Natália “ Quem sabe? Podemos ajudar…”

“ Mas isto não é um fim-de-semana só para nós? Sem falarmos de homens…” interrompe a Rita, mas no fundo, está tão curiosa como as outras.

“ Não é nada de grave! O Bruno quer vender o apartamento dele, está a pensar em entrega-lo a uma imobiliária e com o produto da venda mais as nossas poupanças, comprar um novo. Mas ainda não estou totalmente convencida; a nossa relação é muito recente!” confessa a Aída.

“ O divórcio é muito recente, quer a Aída dizer!” observa a Rita “ A ideia do Bruno é excelente, ele é uma óptima pessoa!”

“ O que diz o seu filho? Bernardo, não é? Deve ser da idade da Filipa, 16, 17 anos?” pergunta a Carolina.

“ As palavras exactas do Bernardo foram: ainda bem que não és idiota como o Pai!” diz a Aída e as outras riem-se.

“ Então, qual é o problema?” questiona a Natália e a Teresa intervém.

“ Tem medo do que poderá acontecer… Decidirem que afinal não resulta, terem que fazer partilhas, etc… o que é sempre doloroso!”

“ Esse é o risco que todas corremos! Quando casei com o Raúl, não me passou pela cabeça que ele ia armar aqueles esquemas, ter várias amantes e fugir com uma para o Brasil!” conta a Rita.

As outras fitam-na boquiabertas, a Aída sabia que o casamento tinha sido complicado, mas a Rita nunca deu muitos detalhes e ela nunca aprofundou o assunto.

“ Então, é onde ele está?” quer saber a Glória e a Rita suspira.

“ Não tenho a certeza! Há muito tempo que não tenho notícias dele e sinceramente não quero saber! “ responde a Rita um pouco agitada “ Mas isto não deve demovê-la, Aida! O seu casamento falhou, mas a relação com o Bruno tem tudo para resultar! Arrisque!”

“ É isso, Aída! Arrisque… O seu filho está a crescer, a ficar independente… Tem que gozar a vida!” aconselha a Carolina.

“ A vida é feita de surpresas! Quem diria que eu ia conhecer o António e vou ter um segundo filho? “ observa a Teresa.

O resto da noite é passado a discutir as gracinhas da Sofia e o desejo do António em ter um rapaz.

CONTINUA



quinta-feira, 23 de julho de 2020

O FIM DE SEMANA - PARTE II


" Oh, Teresa, desculpa a pergunta..." diz a Rita " Se isto pertenceu aos vossos Pais, porque é que nem tu nem o Pedro participam na gestão?"

" A Carolina é que tem uma verdadeira paixão por isto ou não tivesse formação em design, decoração de interiores." explica a Teresa " É por isso que estamos agora a discutir a venda da nossa parte... Isto tornou-se o projecto pessoal dela; eu e o Pedro temos os nossos e é justo que ela fique com a casa."

A Rita fica surpreendida, não há dúvida de que estes três irmãos são muito unidos e apoiam-se mutuamente.

Entre ela e a Madalena também há uma grande amizade, mas há algumas diferenças, talvez porque a irmã é casada com um polícia e isso intimidava o Raul, o ex-marido

Que estupidez, pensar nele agora! pensa a Rita, onde é que ele estará agora? Talvez no Brasil com os seus esquemas e mulheres!

Por amor de Deus! a Rita quase consegue ouvir a voz da irmã, esquece-o! Tratou-te tão mal e estás a desperdiçar tempo.

" Só em sonhos é que vou ter uma casa assim!" suspira a Aida " Mas o Bruno quer vender o apartamento dele, juntarmos as nossas poupanças e comprarmos outro."

" Então, a relação está a ficar séria? Boa, Aída!" brinca a Rita " O Bruno parece ser uma excelente pessoa e o Bernardo gosta dele."

Mas a Aída não parece convencida, mas antes que a Rita lhe pergunte porquê, batem à porta.

A Teresa apressa-se a abrir a porta, é a Natália, ainda demoram? pergunta.

" Não, já estamos prontas!" responde a Rita e a Natália sorri, a Glória e a Carolina já estão no bar da piscina, se calhar, já terminaram a primeira bebida.

A Natália e a Rita seguem à frente, a Teresa e a Aída ficam um pouco para trás.

" Se precisar de ajuda com o novo apartamento, empréstimo bancária, a Carolina e o Gustavo podem ajudar." sugere a Teresa.

" Não é isso... Ainda acho que é muito cedo para decidirmos isso." confessa a Aída.

" E qual é a opinião do Bruno sobre o assunto?" questiona a Teresa.


CONTINUA

quarta-feira, 22 de julho de 2020

O FIM DE SEMANA


É a Carolina quem tem a ideia do fim de semana só de mulheres, sem maridos, namorados ou filhos.

A Natália e a Glória, surpreendidas pelo convite, afinal só conhecem a Carolina das festas na loja da Teresa, dizem logo que sim.

A Aída e a Rita também concordam e apenas a Teresa está relutante, pois não quer fechar a loja no sábado.

Os sobrinhos mais velhos ficam indignados, são perfeitamente capazes de tomar conta da loja sozinhos, só precisam de instruções claras.

O António sorri e incentiva a mulher a aceitar o convite; ele tem que fechar as contas de uns clientes, vão ter auditoria, mas passa pelo loja ao fim da tarde para ajudar a Filipa a fechar o caixa.

Por isso, as seis partem na sexta-feira ao fim da tarde para uma aventura na casa de campo da Carolina.

Era dos nossos Pais, remodelei-a e alugo-a aos turistas entre Junho e Setembro, explica.

Há uma marina perto, podem alugar um barco e uns quilómetros mais à frente, há um picadeiro. Podem também fazer percursos a pé, há uma cidade próximo, é um sítio calmo, para relaxar, acrescenta.

A casa é de um só piso, está no meio de um jardim muito bem cuidado. 

Descem uns degraus, há uma piscina e um pequeno bar.

Lá dentro, há uma sala enorme decorada em tons de azul e laranja, uma cozinha moderna, quatro quartos e duas casas de banho completas.

" Estejam à vontade, fiquem onde quiserem!" convida a Carolina.

A Teresa, a Aída e a Rita resolvem ficar no mesmo quarto, a Natália e a Glória ficam noutro e a Carolina ocupa o dela.

Resolvem encontrar-se dentro de meia hora no bar da cozinha para tomarem uma bebida e comerem qualquer coisa leve.

" Isto é realmente agradável! Quem diria que a Carolina tinha este paraíso?" comenta a Aída.


CONTINUA




terça-feira, 21 de julho de 2020

OS DOIS IRMÃOS - FIM


Até a Maria o aconselha a ter calma e coitada, passa um mau bocado com o Francisco a enviar-lhe SMS ofensivos e a fazer cenas tão desagradáveis na rua em frente à empresa onde trabalha.

O segurança apercebeu-se, pediu delicadamente ao Francisco para se ir embora ou chamava a polícia e após isso, a Maria não teve mais notícias dele.

Quando a empresa lhe propõe a transferência para uma filial, a Maria aceita de imediato; precisa de descansar, concentrar-se noutras coisas e esquecer-se que o Francisco existe.

A Catarina também passa um mau bocado com o Frederico; ele não quer aceitar o divórcio, acha que é possível reatarem, mas a ex-mulher não cede.

Por fim, assinam o divórcio, a Catarina começa a trabalhar na nova empresa com bastante sucesso.

O Major continua com os workshops na Universidade, a Glória está muito feliz com a promoção.

O Nicolau envia o manuscrito do livro a uma editora, esta mostra-se interessada em o publicar e naquela sessão do Clube, todos esquecem o livro que supostamente deviam discutir, porque, como diz a Rita, " um de nós vai ser famoso e temos que celebrar."

O António e a Teresa vão ser pais novamente, é uma surpresa para ambos, não consideramos a hipótese de uma segunda criança, confessa a Teresa.

O Major suspira, não sabe nada dos filhos há algum tempo e não lhe respondem aos SMS.

Sabe que o Frederico está bem, cumpre escrupulosamente os dias de visitas ao Tomás e a Catarina diz que ele está a ser um bom Pai.

Do Francisco, não sabe nada, o Frederico é evasivo sobre isso, o que preocupa o Major.

Até àquela noite. 

O Major está sozinho, a Glória está num evento na Universidade, ele não quis ir, está cansado, tem uma sessão para preparar.

Tocam à campainha insistentemente, o que enerva um pouco o Major.

" Já vai, já!" repete e abre a porta, pronto para dar um raspanete ao estafeta. Pediu uma pizza.

Mas é o Frederico, um Frederico que lhe sorri timidamente e diz:

" Será que podemos conversar, Pai?" e o Major apenas responde:

" Claro que sim, filho. A pizza deve estar a chegar!"


FIM


segunda-feira, 20 de julho de 2020

OS DOIS IRMÃOS - PARTE V


A Maria parece mais conformada quando saí e a Catarina decide naquele momento que vai avançar com o divórcio.

Talvez o Frederico cresça, talvez não, mas ela tem que avançar com a vida dela e dar um rumo à do Tomás.

Vai propor horário livre à empresa como condição para aceitar o lugar, há um apartamento para alugar ali perto da casa dos Pais.

Não vai ser fácil nos primeiros tempos, mas, como o sogro diz, é tudo uma questão de organização.

O Major marca uma reunião com os filhos, estes mostram-se renitentes em comparecer, mas o Pai não aceita um não como resposta.

A Glória aconselha-o a ter calma, sobretudo não deixes que te faltem ao respeito, diz.

O Major tem sérias dúvidas acerca disso, os rapazes não devem saber o significado da palavra, mas agradece à amiga.

O encontro vai ser na casa dele, tem cervejas no frigorífico, há uma tábua com presunto, queijo e bolachas de água e sal.

Talvez seja um pouco antiquado, mas o Major aprecia este tipo de snacks.

Os rapazes chegam um pouco atrasados, o Major percebe pela forma como o cumprimentam que estão furiosos.

" Então?" é o Francisco quem abre as hostilidades " Chamou-nos cá para quê? Não é para falar sobre a sua amiga?"

" Não, não estou interessado em saber o que pensam sobre a minha amiga. Quero falar sobre as vossas atitudes... Comigo, com a Catarina, com o Tomás, com o resto do Mundo, porque, na verdade, estamos todos fartos da vossa arrogância!"diz calmamente o Major.

Os rapazes protestam de imediato, mas o Major continua a falar como se não os tivesse ouvido.

Meia hora depois, os dois rapazes saem, muito corados, mas a Glória, que chega nesse momento, não consegue perceber se a conversa surtiu algum efeito.

À pergunta muda dela, o Major abana a cabeça e comenta:

" Depois disto, acho que nunca mais me falam!"

CONTINUA


domingo, 19 de julho de 2020

OS DOIS IRMÃOS - PARTE IV


A Maria percebe nesse momento as queixas da Catarina e o porquê da separação.

Não, não pode aceitar; nunca ninguém lhe falou assim. Nem mesmo os Pais! 

Por isso, levanta-se, pega na carteira e diz:

" Não sei com quem pensas que estás a falar, mas não é comigo! Ninguém me levanta a voz e não és tu que o vais fazer agora! O teu Pai, a Catarina têm toda a razão quando dizem que vocês são uns egoístas arrogantes."

" Oh, cala-te! Não sabes o que dizes!... Onde pensas que vais?" insiste o Francisco e prende-lhe o pulso.

" Larga-me o pulso!" pede a Maria calmamente, mas o Francisco aperta ainda mais.

A Maria não perde a calma, lembra-se das aulas de autodefesa que teve há uns anos e com a mão livre, dá com a carteira no nariz do Francisco.

A dor surpreende-o, larga-lhe o pulso e grita:

" Idiota! Magoaste-me! Frederico, não fiques aí parado! Não a deixes sair!" mas o Frederico está abismado, está incapaz de reagir.

A Maria passa por ele, dá-lhe um empurrão que o desequilibra e saí.

No carro, desata a chorar e procura freneticamente o numero de telemóvel da Catarina.

Olá, desculpa incomodar, mas preciso de falar com alguém... não, não aconteceu nada de grave, mas não quero ir já para casa, esclarece.

A Catarina fica preocupada quando a vê. 

A Maria sempre lhe pareceu vazia, fútil, mas esta mulher a quem abre a porta não é a Maria que conheceu.

Alguma coisa grave aconteceu para a rasgar assim e quando a Maria conta o que se passou, a Catarina tem que pensar muito bem antes de falar.

" Acho que o Francisco é mais agressivo que o Frederico. Mas nunca pensei que tivesse este tipo de atitudes; isso foi sobretudo falta de respeito e disso, não posso acusar o Frederico. É mimado, egoísta, ofende-se facilmente, tivemos discussões intensas, mas violência física ou psicológica, não..." acrescenta.

" Compreendo agora o porquê das tuas atitudes... E, a minha Mãe também me chamou várias vezes a atenção para as atitudes do Francisco... Porque é que não escutei?" lamenta-se a Maria e a Catarina não sabe responder.


CONTINUA


sábado, 18 de julho de 2020

OS DOIS IRMÃOS - PARTE III

" Nem quero saber o que pensas do Frederico!" ri-se a Catarina.

A conversa flui, a Catarina relaxa e nem dá conta que o Francisco e a Maria saem.

Quando chega a casa, o Major já lá está, os Pais convidaram-no para tomar uma bebida.

O Major explica o novo projecto que está a desenvolver juntamente com a Universidade, a Glória fala da promoção.

A Catarina diz que está a pensar em mudar de emprego, recebeu uma proposta interessante, mas tem que pensar nas implicações que terá na vida do Tomás.

" Mas estamos aqui para te ajudar!" responde a Mãe " Vais ter que viajar? Ou ter um horário mais alargado? Qual é o problema?"

" Na verdade, estou um pouco preocupada com o que o Frederico poderá pensar." diz a Catarina lentamente e conta o que se passou na Confeitaria com o Francisco.

O Major fica furioso, tem mesmo que falar com aqueles dois idiotas e a Glória concorda, mas tens que pensar bem como o vais fazer, aconselha.

" Quanto à Catarina, acho que deve aceitar o lugar. Pelo que me conta, pode estabelecer o seu próprio horário e geri-lo em função das necessidades do Tomás!" comenta a amiga do Major.

" Claro que sim! Não vais prejudicar a tua carreira porque o Pai do teu filho é um idiota!" observa o Pai.

O Major e a Glória despedem-se pouco depois, a Catarina vai tratar do Tomás, este está exausto e adormece quase de imediato.

Entretanto, o Francisco conta ao irmão que encontrou a Catarina e que o Tomás passou a tarde com o avó.

" Mas que ideia a da Catarina! A que propósito o deixou ir com o Major? Não teve tempo para nós e agora tem para o Tomás???" queixa-se o Frederico " Tenho que falar com ela sobre isso; não sei se será bom para o Tomás passar tanto tempo com ele!"

" Que idiotice! Ele é vosso Pai e avó do Tomás!" interrompe a Maria, mas o Francisco recrimina-a de imediato.

" Alguém te pediu uma opinião? Está calada; isto é assunto de família!"

CONTINUA

sexta-feira, 17 de julho de 2020

OS DOIS IRMÃOS - PARTE II


O Major telefona, quer saber se pode levar o Tomás numa aventura.

Não está muito quente, corre até uma brisa e o Tomás vai gostar do parque temático, pode ser? pede o avó ansioso.

A Catarina ri-se, claro que sim e  tem vontade de lhe perguntar se a Glória também vai.

Já a conheceu e acha que a Glória é a mulher ideal para o sogro - inteligente, amável, discreta. 

O Frederico e o Francisco também sabem que o Pai tem uma nova amiga, ouviu o Francisco fazer um comentário idiota sobre o assunto.

Quando pergunta ao Major se já apresentou a Glória aos filhos, a resposta é evasiva, sim, encontraram-se por acaso à saída de um restaurante e como sempre, aqueles dois foram arrogantes.

O Major não quis dizer mais nada e a Catarina achou melhor não insistir no assunto.

Ah, suspira, nunca devia ter casado com o Frederico, como é que não se apercebeu que ele era tão egoísta?

O Major aparece na hora marcada, a Glória está com ela, trouxe um brinquedo novo para o Tomás que delira.

Falam uns minutos e com a promessa de que o trazem de volta antes da hora do banho e jantar, os três partem todos satisfeitos no carro do Major.

A Catarina aproveita o tempo livre para ir ao cabeleireiro e lanchar com uma amiga.

É na pastelaria que ela encontra a Maria e o Francisco.

" Por aqui? E sem o Tomás?" pergunta o Francisco " Onde é que ele está?"

" Está com o teu Pai no parque temático!" responde a Catarina um pouco brusca.

" Ah, será aconselhável? O Frederico sabe disso?" insiste o Francisco " Não teria sido melhor perguntar ao Frederico se o Major podia levar o Tomás?"

" Oh, parvo, estamos a falar do teu Pai! " quase grita a Catarina e a amiga põe-lhe a mão no braço.

" Oh, Catarina, o Francisco só está a brincar! " intervém rapidamente a Maria e o Francisco dá um sorriso traquina e a cunhada tem a certeza de que ele a está a provocar.

O Francisco e a Maria sentam-se num canto bem distante do delas e a Matilde diz:

" Sempre achei este teu cunhado muito infantil e a Maria uma idiota! Que estupidez!"

CONTINUA


quinta-feira, 16 de julho de 2020

OS DOIS IRMÃOS


A Catarina não sabe o que fazer.

O Frederico telefonou, passo por aí ao fim da tarde para ver o Tomás e podemos jantar fora para conversarmos?

Os Pais aconselham calma, escuta-o, mas não te precipites, diz o Pai. 

Talvez esteja pronto para discutir o que está mal entre vocês, sugere a Mãe.

Mas a Catarina duvida e tem a certeza disso quando o Frederico aparece com o irmão.

Ele aqui? A que propósito? pergunta, mas o Frederico encolhe os ombros,  ele também está com saudades do Tomás.

Não querias falar comigo? Temos assuntos graves a discutir! insiste a Catarina, mas o marido volta a encolher, podemos falar na frente dele, ele está ao corrente de tudo, diz como se fosse a coisa mais natural do Mundo.

A Catarina não se contém, mas só podes ter endoidecido! A que propósito o teu irmão vai estar presente numa discussão que só nos diz respeito???

O Frederico fica calado, a Catarina está furiosa e afirma que só irá jantar com ele quando ele ganhar juízo.

Os dois irmãos despedem-se, o Pai ouve o Francisco comentar que a Catarina continua a ser " a mesma idiota arrogante!".

Ainda pensa em dizer qualquer coisa, mas pessoas tão superficiais como os dois irmãos não vão compreender qualquer recriminação.

A Catarina está muito nervosa, a Mãe está a tratar do Tomás e o Pai senta-se com um suspiro em frente dela.

" Aqueles dois irmãos são ocos!"

" O meu sogro acha que a culpa é dele, não esteve muito presente..." confessa a Catarina.

" Não vou negar que pode ter havido falhas na educação deles, mas acho que tem a ver com a personalidade em si. Sempre foram egoístas, a Mãe não soube contornar isso e parece-me que o Major tinha pouca autoridade!" observa o Pai.

" O que é que eu faço?" questiona a filha.

" Isso só podes ser tu a decidir!" responde o Pai.

CONTINUA




quarta-feira, 15 de julho de 2020

O NOVO MEMBRO - FIM


A Aida ri-se, confessa que, neste momento não tem planos. Só gozar o tempo, fazer o que sempre quis e que por uma razão ou outra, teve que adiar.

Tem que pensar também no Bernardo, ele está um pouco confuso com as atitudes do Pai.

O Bruno concorda, já falou com ele sobre o assunto, a situação está um pouco explosiva, compreende que a Aida o queira poupar.

Mas, um dia, acrescenta, ele vai sair de casa e a Aida volta a rir e diz que não está a excluir uma relação, só a quer viver doutra maneira.

O Bruno ri também, oferece-se para a levar até casa, o Bernardo já lá está, o Pai acaba de o deixar.

" Que tal a noite?" pergunta a Mãe, mas o filho abana a cabeça e murmura que foi um pesadelo, nem quer falar nisso.

A Aida não insiste, não sabe se deve ou não falar com o ex-marido sobre o assunto e acaba por decidir não o fazer.

Está concentrada na livraria, no Clube. 

A Carolina parece estar bem integrada, os outros estão a mostrar uma certa abertura, se bem que a Aida desconfie que ela nunca faça parte do núcleo central.

Claro está que a convidam para o jantar tradicional quando terminam o livro e a Teresa incluí o nome dela na lista de convidados para os eventos da loja.

Ela e o Bruno continuam a sair juntos e a Aida não fica surpreendida quando ele sugere que passem um fim de semana juntos.

O Bernardo está em casa do Pai, ela e o Bruno têm o fim de semana de folga e é realmente uma boa ideia irem para qualquer lado.

Para já, sem compromissos, apenas com respeito e amizade.

Porque ela está viva, o filho está a crescer e a ter outras prioridades e porque é que não há de gozar a vida?

Até a Carolina parece mais feliz....

Neste momento, ninguém tem nada a reclamar da vida.


FIM


terça-feira, 14 de julho de 2020

O NOVO MEMBRO - PARTE V


" A Carolina queria falar comigo?" pergunta a Aída quando a Rita se despede e saí.

" Sim, queria pedir desculpas pela forma como me comportei na primeira sessão do Clube e agradecer por me ter deixado voltar." diz a Carolina " Já percebi que são um grupo muito unido... e de forma alguma, quero destruir isso."

A Aída fica um pouco embaraçada, a Carolina está a ser muito sincera, a Teresa tem razão, pensa, deve sentir-se muito sozinha.

" Não há problema! O que interessa é que esteja a gostar... Geralmente, quando terminamos um livro, fazemos uma lista que é discutida na sessão. Vence o autor que aparece em mais listas. Estamos quase no fim deste livro; a Carolina pode começar a preparar a sua!" sugere a Aida.

A Carolina agradece e saí, deixando-a sozinha para fechar o caixa. 

O Bernardo ia jantar com o Pai, quem é a idiota que me vai apresentar desta vez? desabafa e o Major aconselha-o a ter calma.

Por isso, a Aida não tem planos e fica surpreendida por ver que o colega, o Bruno ainda está no gabinete.

" Por aqui? Pensei que já tinhas saído!" diz a Gerente.

" Estou a preparar a sessão de amanhã do meu Clube! Tu tens um novo membro no teu! Que tal?" observa o colega.

" A primeira sessão correu mal; ela "armou-se" um pouco e os restantes membros não gostaram. " suspira a Aida " Esta correu melhor; falou quando lhe pediram a opinião... creio que viu que estava errada."

" E vai ficar?" comenta o Bruno, mas a Aida abana a cabeça, ainda não sabe, é muito cedo.

" Queres vir jantar comigo?" convida o Bruno e os dois saem para a noite.

Está frio e acabam por entrar no restaurante onde o Nicolau e o António jantam geralmente.

Hoje não estão, talvez estejam a jantar em casa do António, o Nicolau é muito amigo da Teresa e trata a Sofia como se fosse neta dele.

" Então, quais são os teus planos para o futuro?" o Bruno quer saber.

A Aida sorri, estará o Bruno a troçar ou a namoriscar?

CONTINUA

segunda-feira, 13 de julho de 2020

O NOVO MEMBRO - PARTE IV


" Oh, Bernardo, isso é um pouco forte!" recrimina a Aida, mas o filho insiste que é a verdade.

" Ela foi convidada a assistir, não a dar uma opinião." esclarece o António e o Major concorda que o comentário da Carolina foi despropositado.

" Estamos a discutir o livro em si, não a política." repete.

" Já pensaram que ela se pode sentir muito sozinha e queira agradar?" pergunta a Teresa " Talvez tenha sido por isso que tenha feito esse comentário. Concordo que foi infeliz, mas ela quer agradar-vos, quer fazer parte do grupo."

" Talvez tenhas razão..." concede a Rita " Conheço alguém que tinha também esse hábito e tivemos que o " educar "..." e lança ao Major um olhar divertido.

" Isso foi antes de descobrirem a minha paixão pelos mapas!" esclarece o Major " Que, diga-se de passagem, têm sido muito úteis!"

Não podem negar o facto; os Mapas têm ajudado a situar o local e a compreender melhor a acção.

" Vamos dar nova oportunidade à Carolina?" sugere o Nicolau " Talvez ela tenha compreendido a diferença entre ser-se membro e ser-se convidada."

A Carolina chega um pouco atrasada à sessão seguinte, a Aida até fica preocupada, será que ficou ofendida pela forma como a trataram? mas nenhum deles foi malcriado.

A Carolina desfaz-se em desculpas, perdeu o autocarro e senta-se.

Segue atentamente a discussão e só quando o António a convida a falar é que ela se pronuncia.

" Tenho que concordar com a Rita. Acho que o médico está envolvido; tem os processos clínicos, sabe desses sinais de nascença."

" Mas deve ter um cúmplice no gueto!" afirma o Major e o Nicolau abana a cabeça.

" Será o director do coro? Afinal, os miúdos têm que fazer um exame médico..."

" Sim, não creio que seja esse tal Ziv..." diz o Bernardo, mas a Carolina não concorda.

" Ok, creio que na próxima sessão teremos mais detalhes sobre isso. Ficamos por aqui hoje?" diz.

Os homens são os primeiros a sair, a Rita ainda fica uns minutos a conversar com a Aida e esta nota que a Carolina está ainda na sala.

CONTINUA

domingo, 12 de julho de 2020

O NOVO MEMBRO - PARTE III


O ponto principal da discussão é perceber o porquê da morte da Anna e do Adam.

" Já sabemos que ambos utilizavam os túneis. Mas a mutilação... ainda não entendi!" comenta a Rita.

" Afirmação de poder?" sugere o Nicolau.

" Acho que eles descobriram qualquer coisa que compromete os judeus." intervém o Major " Porque há sempre colaboradores e dos dois lados!"

A Carolina abre a boca para dar uma opinião, mas o olhar do António é tão irónico que desiste.

Decidem continuar a discussão na próxima sessão, talvez os próximos capítulos contenham a chave do mistério.

A Carolina fica indecisa sobre o que fazer, os outros estão ainda a falar, mas acha melhor despedir-se.

A Aída acompanha-a até à porta, deixa entrar a Teresa e a Sofia que vêm convidar o Pai para jantar fora.

" Porque não vamos todos?" diz o Major. Está livre, a Glória está na Universidade a preparar um seminário.

Os outros também não têm compromissos e aplaudem a ideia.

O Major e o Bernardo arrumam a sala do Clube, o António ajuda a Aida a fazer o caixa e a Rita confessa à Teresa ter saudades de um bebé.

" A Clarinha já está muito crescida!" queixa-se, mas a Teresa apenas sorri.

Nunca lhe perguntou porque não teve filhos, sente que é questão delicada, dolorosa para a Rita e por isso, fala-lhe de um novo produto que está a pensar em introduzir na loja.

A Rita fica logo interessada, faz-lhe imensas perguntas, sugere uma série de coisas e em breve, todos participam na discussão.

Ainda estão a falar sobre o novo produto quando entram no restaurante e só depois de escolherem o menu é que a Teresa pergunta pelo novo membro.

" Que tal o novo membro? É simpática? Interessada?"

" UMA SECA!" afirma o Bernardo muito sério.

CONTINUA

sábado, 11 de julho de 2020

O NOVO MEMBRO - PARTE II


A Carolina é baixinha, gordinha, tem umas madeixas de cor indefinida e usa como a Teresa vestidos étnicos.

Com uma grande diferença, o António e o Bernardo reparam de imediato nisso.

Aquele tipo de vestidos faz parte da personalidade da Teresa, define-a; a Carolina é apenas uma pessoa com mau gosto.

A Aida apresenta-a aos membros e o sorriso é muito rápido.

" Olá, olá, muito obrigada por me receberem. Estou muito curiosa; é uma ideia tão interessante um Clube de Leitura, não é? Sempre quis fazer parte de um, mas trabalhei sempre demais... Havia sempre qualquer coisa para fazer, não acham?" diz.

" É tudo uma questão de organização!" responde o Major muito sério.

" Não sei...O meu trabalho foi sempre tão exigente..." continua a Carolina e o Nicolau interrompe-a delicadamente.

" Todos tivemos, alguns ainda têm trabalhos exigentes, mas tal como o Major diz, é tudo uma questão de organização."

A Carolina fica um pouco embaraçada e acha melhor calar-se.

A Aida convida-a a sentar-se, a Rita suspira, espera que a Carolina não seja daquelas pessoas que está sempre a interromper os outros.

O Major fez um Mapa de Varsóvia, assinalou o Gueto e está a explicar a rede de túneis descrita no livro quando a Carolina decide intervir.

" Túneis? Os nazis não selaram tudo? Não era esse o objectivo do Gueto?"

Todos olham para ela espantados, que falta de educação, pensam.

" O objectivo é discutir o livro, os Anagramas de Varsóvia de Richard Zimler; não estamos a discutir a política do III Reich. O Major fez o Mapa apenas para nos ajudar a perceber melhor o local onde tudo aconteceu." explica o Nicolau num tom de voz que não admite réplica.

A Carolina engole em seco, pede desculpas e cala-se.

CONTINUA