quinta-feira, 1 de julho de 2021

O DESATINO DA MATILDE PARTE IV

 

Hesito, não sei bem como começar, mas acabo por contar tudo o que aconteceu e o que sinto.

Quando termino, os Pais estão muito sérios e é o Pai quem fala primeiro.

Não há desculpas para beberes, porque a bebida nunca resolveu qualquer problema. Sei que a vida nos dá bofetadas, às vezes bem violentas, mas temos que saber gerir os nossos sentimentos e avançar.

Demonstraste muita coerência e sangue frio quando decidiste terminar com o João, interrompe a Mãe, tens que fazer a mesma coisa com o curso e com o resto. É isso que não entendemos o teres começado a beber... Já não é primeira vez que tens uma desilusão amorosa e venceste a angústia, a desilusão.

As lágrimas começam a cair-me pela cara abaixo, balbucio desculpas e a Mãe levanta-se, dá-me um abraço.

A primeira coisa a fazer é cortar com a bebida, declara o Pai, estou a falar a sério, conheço todos os truques! A segunda coisa , não te vamos deixar desistir do curso, só porque é aborrecido. Não, tens que te empenhar no curso, identificares as partes positivas e estudares em pormenor as negativas para equilibrar a situação. Resumindo, dar uma oportunidade a ti própria e ao curso.

Tens também que te organizar e manter aquele apartamento em ordem, comenta a Mãe, não te eduquei assim e não me admira que a Isabel esteja furiosa.

Coro, o Pai sorri e remata trocista, durante uns tempos, vais estar sobre vigilância policial, sei que já tens dezanove anos, mas tens que merecer novamente a nossa confiança.

É melhor dormires cá esta noite, sugere a Mãe, dá uma oportunidade à Isabel de se reorganizar e amanhã, vais pedir-lhe desculpa.

Não me atrevo a protestar, mas sigo os conselhos dados e a Isabel fica surpreendida, não se fala mais nisso, comenta, só espero que não se repita.

Esforço-me por prestar atenção às aulas daquela manhã, perdi boa parte da matéria, tenho que pedir apontamentos emprestados.

A meio da tarde, telefona-me a Rita, a Mãe contou-lhe tudo e ela não está nada satisfeita.

És tão criativa e estás a desperdiçar o teu talento, exclama, aprendeste tanto quando estiveste aqui a estagiar, não compreendo porque não pões isso em prática. Claro que há matérias aborrecidas, tens que perceber como o design evoluiu para inovares!

Eu sei, Rita, desculpa se te desapontei, concordo, estive um pouco perdida, mas estou a esforçar-me para reverter a situação.

CONTINUA

2 comentários:

Cidália Ferreira disse...

Gostei do capitulo. A ver se todos se entendem! :)
-
Amor em tempo de pandemia...
-
Beijos, e um excelente dia...

SE TENS UMA ALMA NELA HABITA POESIA disse...

Difícil estudar com a cabeça cheia de preocupações, na esperança que tudo se resolva. Bela história...