sábado, 16 de outubro de 2021

O DOENTE PARTE II

 

Talvez não devesse ter visitado a Cristina no acampamento de refugidos, já se sentia febril, mas ela precisava tanto de ajuda...

Não sabe bem como definir como foi a experiência, mudou a perspectiva do problema e prometeu voltar.

Mas não agora... tem que recuperar e o médico não sabe se não ficará algum problema.

Na sala, os Pais continuam a falar, estão preocupados, não sabem como agir, o Bernardo é um homem com poder de decisão.

O que é que eu posso fazer? repete a Aída, estar presente, é tudo o que podemos fazer, aconselha o Pai.

O jantar é um pouco tenso, o Bernardo tem pouco apetite e recusa ficar lá em casa a dormir.

O Pai acompanha-o, a tua Mãe encheu o frigorifico, diz, também tens aqui várias ementas e nºs de take away, mas ela espera que vás lá jantar todos os dias.

Vou ficar bem, Pai, só preciso de descansar, interrompe o filho, amanhã falamos? Melhor não deixar a Mãe sozinha...

Quando o Pai bate a porta, o Bernardo senta-se na cama, está exausto, mas não consegue adormecer.

O sono vence-o por volta das três da manhã e acorda sobressaltado por volta das seis, sem saber bem onde está.

Lembra-se que regressou ao País, está de licença e por isso, deixa-se ficar na cama.

O SMS entra pouco depois, será da Cristina? rejeita de imediato a ideia, a amiga não tem tempo a perder.

É do Pai, a dizer que estão no Hospital, a irmã deve nascer hoje.

O Bernardo sorri, que coisa linda! Será um anjo ou uma peste? Que interessa? Vai enchê-la de mimo!

Talvez seja melhor ir para o Hospital fazer companhia ao Pai...

CONTINUA


1 comentário:

Cidália Ferreira disse...

O nascimento de uma criança é uma dádiva! :))
-
Traçando os caminhos sombrios
-
Beijos, e excelente fim de semana.