quarta-feira, 27 de outubro de 2021

CLARINHA PARTE VI

 

Todos, à excepção da Luísa e da Mãe que preferem o yoga, inscrevem-se numa aula de hidroginástica às sextas-feiras ao fim da tarde.

Ás vezes, jantamos juntos num restaurante perto e os mais novos vão até a um bar, dançar numa discoteca da moda.

Naquela sexta-feira, a Luísa e o Gustavo têm outros planos e por isso, só eu, a Matilde e o Bernardo é que vamos até ao bar.

Estou um pouco cansado, diz o Bernardo, não vamos ficar até tarde, ok? e a Matilde concorda.

Eu fico um pouco amuada, estou cheia de energia, sair daqui à meia noite, uma hora, vai ser um grande sacrífico.

Felizmente, alguns dos meus colegas escolheram aquele bar para tomarem umas bebidas e em breve, estou envolvida numa nuvem de conversa alta, " bocas maldosas" e risos histéricos.

A minha irmã e o Bernardo ficam num canto do bar, a conversar baixinho, mas eu vigio-os pelo canto do olho.

Convido-os a juntarem-se ao grupo, mas eles apenas sorriem, não, são teus colegas, diverte-te, responde a Matilde.

Não digo mais nada, gosto de movimento, de alegria, às vezes, eles os dois conseguem ser muito aborrecidos.

É a vez do Sérgio pagar as cervejas, perdeu uma aposta qualquer, não prestei atenção e é quando recebo o meu copo que volto a olhar para o canto onde deixei o Bernardo e a Matilde.

Quase deixo cair o copo, há uma gargalhada geral e uma " boca maldosa", mas eu fico gelada.

O Bernardo e a Matilde estão a beijar-se, um beijo calmo, adivinho o prazer sentido pelo ar sonhador da minha irmã.

Mas o que é isto? murmuro, tenho vontade de esbofetear a Matilde, o Bernardo é meu! Estás a perceber? quero gritar, mas os dois levantam-se calmamente, beijam-se novamente e aproximam-se do grupo.

Clarinha, nós vamos embora, explica o Bernardo, será que um dos teus amigos te leva a casa?

Claro que sim, não se preocupe, nós prometemos entregá-la sã e salva, atalha o Sérgio de imediato e o Bernardo sorri, não exagerem na bebida, queremos realmente que ela chega a casa sã e salva.

A Matilde aperta-me a mão, tem cuidado, não chegues muito tarde! pede e os dois despedem-se.

Tenho quase a certeza de que vão para casa dele e sinto uma pontada de ciúmes.

CONTINUA

2 comentários:

Elvira Carvalho disse...

Ai, ai, ai. Será que o Bernardo vai ser a Salvação da Matilde, ou vai acontecer o mesmo que com o sargento Meireles? E se este possível romance der para o torto, como vai ficar a amizade do Bernardo com o Gustavo e os pais deles?
Abraço e saúde

Cidália Ferreira disse...

Ora muito bem. Uma ciumeira, lool Gostei :))
*
Enquanto eu sentir esta força de viver
*
Beijos e uma boa noite!