quarta-feira, 15 de novembro de 2017

A CONFUSÃO . PARTE III


Fui petiscar qualquer coisa com o Leonardo antes de apanhar o Metro.

Quando cheguei a casa, adormeci de imediato e acordei por volta das três da tarde, porque o elevador avariou e o sinal de alarme disparou.

Fiquei mais uns minutos na cama, a pensar na vida. A pensar se devia ou não continuar a trabalhar à noite.

Mas a noite é fascinante e não me adaptaria ao ritmo do dia. Talvez pudesse abrir o meu próprio bar ou uma empresa de segurança.

Tinha que pensar nisso a sério, mas entretanto, o Leonardo telefonou-me e desafiou-me para uma corrida.

Quando regressei, já passava das sete e tive que me apressar, pois ia jantar com a minha Mãe.

Não notei nada de anormal no bar ao picar o ponto às dez. Não estava cheio, ainda era cedo e por isso, resolvi ir até à cozinha.

O Leonardo fez-me sinal de imediato e saímos para o corredor.

" O que foi? " perguntei.

" Sabes, aquele individuo? Aquele que o Paulo foi levar a casa? " e continuou, quando acenei que sim " Apareceu morto na Avenida X!" 

" Morto? Na Avenida X? " repeti, surpreendido porque a dita Avenida era perto do bar. 

"Como? Uma hemorragia interna? Bem disse ao Paulo que o devia levar ao Hospital, mas ele não quis." comentei, enquanto o Leonardo acendia mais um cigarro.

" Andam à procura do Paulo. Ao que parece, o tal indivíduo tinha um cartão do bar no bolso." explicou o barman.

" Andam? Como é que sabes tudo isso? " observei e o Leonardo fez uma careta.

" Conheces a Arlette? Aquela loira que trabalha na loja da Aurora? Assistiu a tudo e contou-me." 

Como a Arlette era uma exagerada e tinha uma relação de amor/ódio com o Leonardo... fiquei, como se costuma dizer, de pé atrás.



CONTINUA

2 comentários:

Gil António disse...

Bom dia. Muito interessante. Vou tentar acompanhar a sua história. Linkei o seu blogue no meu
.
{ Suporta o coração a ilusão, o ódio, o desamor }
.
Deixo cumprimentos e os votos de uma Quarta-Feira muito feliz.
.

Sofá Amarelo disse...

A confusão continua, e realmente este parece ser o melhor título para a história que se desenrola entre diálogos e dramatismos reais...